Pesquisar e

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Filhos do Fogo- Anticristo em 2006?



Daniel Mastral afirma que segundo os Satanisitas o Anticristo:

  • nasceu em 1971
  • 1998-1971= 27anos em 1988
  • 1971+35=2006
  • 2017-1971=46 anos começará a reinar (em 2017)




"Dentro do contexto estratégico de Lucifér o Tempo é contado da seguinte maneira: depois da vinda do chamado Cristo, a História da Humanidade foi dividida em blocos principais que ocorrem a cada salto de seiscentos e sessenta e seis anos. A contagem faz-se naturalmente espelhada no calendário Gregoriano porque é o que traduz a nossa realidade. Então vejam: do ano zero ao ano 666 aconteceu o Primeiro Ciclo. Com mais um salto de seiscentos e sessenta e seis anos chegamos ao ano de 1332, o Segundo Ciclo. Com mais seiscentos e sessenta e seis anos, cairemos no ano de 1998. É familiar a vocês esta data?! Exatamente em seis de março de 1998 termi­na o Terceiro e último Ciclo. Por que seis de março? ...




E quando todos tiverem acredi­tado que a peleja acabou..."quando andarem dizendo Paz, Paz... então virá o fim"! Em 2006 se levantará o verdadeiro. E nesta ocasião a Igreja de fato já estará desfalecida! Uma força Infernal demoníaca cada vez maior será liberada sobre a Terra. E Lucifér estará no auge do seu Poder! Mesmo que a Igreja viesse a perce­ber o engano já não haveria como lutar contra isso pelo simples fato de que o anticristo já estará exatamente no lugar em que deve estar. A partir de então co­meçará efetivamente a reinar. Quem será ele? Foi gerado pelo próprio Lucifér, que para isso se utilizou de uma mulher previamente e cabalisticamente escolhi­da. Ele já vive hoje. E em 1998 completará 27 anos. Mais precisamente em mar­ço, entre nove e dezoito de março. Mas antes disso, já aos 18 anos, Lucifér pas­sará a andar pessoalmente com ele. Ainda que não seja o tempo de se manifestar. Humanamente falando ele será um homem descendente de judeu. E extremamen­te carismático. Inteligentíssimo. Terá Poderes e faculdades extraordinárias, as­sombrará a Humanidade com sua sabedoria e conhecimento. Fará tais prodígios que o mundo o aceitará e o adorará como deus. A própria Bíblia Sagrada garante: "Fará o que lhe aprouver; com o seu conhecimento fará prosperar o engano na sua mão"; "E destruirá os Santos do Altíssimo"! Nós o conheceremos em breve. Será apresentado pessoalmente no Sabbath do ano de 1999. Ele tem sido manti­do guardado e escondido, está sendo muito bem treinado para se levantar com Poder na virada dos seus 35 para 36 anos, em 2006. Quando apresentará uma solução para o colapso mundial. Porque o planeta estará mergulhado num caos total e a corrupção dos governantes mundiais correrá solta. Mas ele dominará sobre todas as Nações. Simplesmente porque o mundo passou mais de 2000 anos sendo preparado para ele! ..." (FILHO DO FOGO.Volume 2. Isabela Mastral. Eduardo Daniel Mastral.Editora Naós)


Será mesmo? Até agora em 2017 nenhum sinal dele!! e ao contrário do video, os terremotos não estão aumentando 
http://averacidadedafecrista.blogspot.com.br/2015/07/terremotos-nao-estao-aumentando.html

Daniel Mastral afirma neste video abaixo em 48:44 
"que em 2017 o Anticristo começará a governar, segundo o calendário  do Satanismo"



quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Porque não é pecado usar pilulas e outros métodos anticoncepcioniais

Resultado de imagem para enfermedades de transmision sexualidad
Argumentos Contra o Controle da Natalidade Refutados
Aqueles que se opõem ao controle da natalidade usualmente apelam a um ou mais dos seguintes tipos de argumentos: 

1.  O Controle da  Natalidade „é Desobediência  ao Mandamento de   de Propagar .
Aqueles, portanto, que deliberadamente delimitam a vida desobedecem, assim, o plano de Deus de compartilh…-la com tantas pessoas quanto poss‡vel.
 "Sede  fecundos,  multiplicai-vos,  enchei  a  terra  e  sujeitai-a"  (Gn  1:28).  
 "Como  flechas  na  mƒãodo guerreiro assim os filhos da mocidade. Feliz o homem que enche deles a sua aljava!" (Sl 127:5).  

E  ainda  mais:  "H eranç†a  do  SENHOR  sƒo  os  filhos;  o  fruto  do  ventre  seu 
galardƒo" (v. 3). Realmente, a esterilidade era considerada uma maldi†ƒo (Gn 20:18; Dt 
17:14). 
Resposta:
  • mandamento para propagar-se  foi dado „ à Adão e Eva, no princípio da humanidade. 
  • Se a ordem de propagar-se fosse para cada indiíviduo, entƒão toda pessoa que  se recusasse a casar estaria pecando, tanto quanto aqueles que se casassem e recusassem a ter filhos. O estado volunt…ário de solteiro seria um pecado tƒo grande quanto o uso de  contraceptivos por pessoas casadas. Jesus e Paulo por exemplo não eram casados
  • Mesmo  aqueles  que  argumentam  contra  os  contraceptivos  artificiais,  usualmente permitem este métodos naturais como o uso de tabelinha. Ou seja, de fato e de verdade estão lutando contra a "ordem de ter filhos"

Mateus 19:12  Porque há eunucos de nascença; há outros a quem os homens fizeram tais; e há outros que a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino dos céus. Quem é apto para o admitir admita.
7  Quero que todos os homens sejam tais como também eu sou; no entanto, cada um tem de Deus o seu próprio dom; um, na verdade, de um modo; outro, de outro.
8  E aos solteiros e viúvos digo que lhes seria bom se permanecessem no estado em que também eu vivo.


2. O  controle  da natalidade por meio de anticoncepcionais   uma  tentativa  de  desempenhar  o  papel  de  Deus  Somente Deus tem o direito sobre a vida para determinar quanto existir… e qual existir…. Nenhum homem tem o direito (a nƒo ser conforme Deus o delega) de  assumir  o  poder  sobre  quais  homens  viverƒ  e  quais  nƒão  viverƒ.  O  controle  da natalidade    uma  tentativa  de  desempenhar  o  papel  de  Deus  (i.e.,  controlar  a  vida)  e, portanto,  moralmente errado.
Deus abre e fecha a madre (Gn 20:18; 29:31). 
"Vede agora que Eu sou, Eu somente, e mais nenhum Deus além de mim; eu mato, e eu 
fa†ço viver," diz o Senhor (Dt 32:39). 
O Senhor d…á vida e o Senhor a tira; a prerrogativa  dEle (cf. J€ 1:21). 

Resposta:.
  • Os métodos anticoncepcionais por definição impedem a concepção e portanto não tiram a vida de nenhum ser vivo
  • O poder de casar ou não e consequentemente ter filhos ou não foi dado ao homem. Decidir não ter filhos então não faz o ser humano assumir o papel de Deus.
  • Assim como um agricultor decide plantar ou não, plantar pouco ou não e neste caso não desempenha um papel de Deus, de igual modo o homem pode decidir por ter ou não filhos, ter pouco ou muitos filhos, desde que suas "sementes" (sêmen e óvulo-sistema reprodutivo) sejam "boas". Deve-se esperar a melhor hora de se semear caso decida assim fazê-lo.

"Há uma grande diferença em impedir alguma vida de dar à luz mais vida, e tirar uma vida depois de ter nascido. Este último pode ser assassinato; o primeiro não é assassinato. A seletividade voluntária a respeito do número de filhos não é mais pecaminosa, como tal, do que escolher a limitação do número de árvores que se planta no pomar, ou o número de grãos de trigo que se planta numa fileira .De fato, a semeadura indiscriminada (seja entre as plantas, seja entre os seres humanos) às vezes pode ser mais danosa do que a plantação seletiva. Uma vida bem colocada (humana ou não) é uma coisa bela. E um plantio mal planejado pode ter resultados muito feios. As condições superlotadas podem estrangular ou até mesmo estultificar a vida ao invés de ressaltar seu valor. Noutras palavras, a falta de controlar a quantidade de coisas vivas que nascem pode ser um assassinato. Se não houver cuidado em evitar que um número grande demais de coisas vivas venha a existir, então sua ação indiscriminada pode precipitar condições que realmente tirarão as vidas dalgumas."

Se limitar a quantidade de pessoas que nascem, pode aumentar a qualidade das pessoas que vivem, então certamente não é moralmente errado fazê-lo. Quem votaria a favor de uma magnitude de humanidade que limitasse severamente a personalidade dos homens individuais? A pura quantidade acima da qualidade é uma distorção de valores. Logo, se a qualidade da personalidade pode ser promovida ao impedir uma quantidade indevida de pessoas numa determinada família (ou mundo), então o controle da natalidade para este propósito é justificável.

(Ética Cristã. Norman Geisler. São Paulo:Vida Nova, 2006)

3. O  Propó‚sito  do  Sexo  „ é a  Procria‡ção 
 O  prazer  do  sexo é  concomitante ao prop€ósito procriativo mas o prazer sexual nãƒo deve ser um fim em  si  mesmo. Procurar os  prazeres  do  sexo  „  parte  das  responsabilidades  envolvidas  na  criação†ƒ  de  uma  fam‡ília    contrá…rio à „  ordem  natural  estabelecida  por  Deus.  O  sexo nãƒo é recreacional,  mas, sim, procriacional,  e buscar aquele, sem esta,  um  distorçㆃo  do  sexo.  Logo,  os  dispositivos  do  controle  da  natalidade  usados  para  manter  os  deleites  do  sexo  ao  passo  que  evitar-se  o  dever  de  ter  filhos  são moralmente errados.  O controle da natalidade  é um modo egoí‡sta de trabalhar contra a lei da natureza.

Resposta:
  • Se o sexo não tivesse razões recreativas o sexo após a menopausa seria pecado!!
  • Se o prazer fosse ligado exclusivamente a reprodução, os seres humanos deveriam ser como os animais, ter prazer apenas quando estão férteis. A mulher só fértil por cerca de 7 dias no mês, sendo que nos outros 23 dias continua com o desejo sexual normal, ao contrário dos outros animais
  • A Bíblia mostra o sexo pelo sexo dentro do casamento, sem finalidade reprodutiva

1 Co 7:3  O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido.
4  A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher.
5  Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência.

CT 7:7  Esse teu porte é semelhante à palmeira, e os teus seios, a seus cachos.
8  Dizia eu: subirei à palmeira, pegarei em seus ramos. Sejam os teus seios como os cachos da vide, e o aroma da tua respiração, como o das maçãs.
9  Os teus beijos são como o bom vinho, vinho que se escoa suavemente para o meu amado, deslizando entre seus lábios e dentes.
10 ¶ Eu sou do meu amado, e ele tem saudades de mim.
11  Vem, ó meu amado, saiamos ao campo, passemos as noites nas aldeias.
12  Levantemo-nos cedo de manhã para ir às vinhas; vejamos se florescem as vides, se se abre a flor, se já brotam as romeiras; dar-te-ei ali o meu amor

Pv 5:18  Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade,
19  corça de amores e gazela graciosa. Saciem-te os seus seios em todo o tempo; e embriaga-te sempre com as suas carícias.
20  Por que, filho meu, andarias cego pela estranha e abraçarias o peito de outra?


"..todos os animais tem sua atividade sexual e reprodução disciplinadas rigorosamente pelos mecanismos biológicos hormonaisativos apenas em períodos determinados pela natureza" p. 19

"A função sexual dos animais é regulamentada estritamente pelos ciclos naturais e só visa a procriar; a  humana é uma sexualidade ampla e ilimitada: não tem nenhum equivalente no reino animal" p. 19

"a disponibilidade  sexual dos humanos é permanente na vida adulta...O princípio do prazer (constante), e não outros reguladores biológicos, é que determina a sexualidade humana"p. 19

"somente entre os animais irracionais a função sexual é restrita ao objetivo de reprodução da espécie" p. 19

"Desprovida de freios e inibidores biológicos,a sexualidade humana é disciplinada apenas - e não completamente - pelas interdições socioculturais" p. 20

"De fato, desde o nascimento, o sexo anatômico já determina a identidade civil: um nome masculino  ou feminino, a que se agregam sucessivos direitos e deveres, regras de comportamento, expectativas..." p. 21

"A sexualidade extrapola os limites da anatomia e fisiologia"p. 25

"O desempenho sexual não depende  só de anatomia e da fisiologia, mas também da integração dos fatores biológicos, psicológico, social e cultural" p. 25

"A sexualidade  é o principal  polo estruturante da  identidade  e da personalidade do indivíduo" p. 25
(Sexualidade Humana e seus Transtornos. Carmita Abdo. 3ª edição atualizada e ampliada. São Paulo: Leitura Médica, 2010)

'A procriação é, obviamente, um (talvez até mesmo o) propósito básico do sexo. Mesmo assim, não é o
único propósito do sexo. O sexo também tem propósitos de unificação e de recreação...Se o sexo visasse apenas à procriação, seria então muito estranho que a natureza permita que as mulheres possam procriar por menos de que metade da sua vida conjugal (i.e., somente até à menopausa) e, depois, somente num período de cada mês. Uma mulher que se casa com a idade de 20 anos terá, digamos, 25 anos de fertilidade em, somente, digamos, três dias por mês, ou seja: 1/10 do tempo. Isto significa que o tempo
propriamente dito da sua capacidade de conceber será menos do que três anos (i.e., e. de 1.000 dias) da sua vida de casada. Ora, pareceria estranho que Deus designasse o sexo com seus impulsos durante várias décadas da sua vida, se fosse designado somente para estes breves períodos procriativos. Está muito mais de acordo com a sabedoria de Deus, com os fatos da natureza, e com a experiência humana, supor que o papel do sexo é mais amplo do que o propósito procriativo. E se o sexo não é meramente para a
propagação, não há razão porque não se possa desfrutar dos demais propósitos do sexo sem produzir filhos." (Ética Cristã. Norman Geisler. São Paulo:Vida Nova, 2006)


4.A  B‰íblia  Condenou  Especificamente  uma  Tentativa  de  Controle  de  Natalidade 
"Sabia, porém, Onムque o filho  nãƒo seria tido por seu; e todas as vezes que possu‡a a mulher do seu irmƒão deixava o  s‚êmem cair  na  terra,  para  nƒo  dar  descend‚ência  a  seu  irmãƒo" (Gn 38:9).  "Isso, 
porém, que fazia,"  "era mau perante o SENHOR" (v. 10). 
Resposta:
  • A desobediência dizia respeito à responsabilidade de um irmão sobrevivente no sentido de suscitar descendência para seu irmão. 
  • A lei do Levirato como é chamado tinha por finalidade a geração de filhos!!A mulher neste caso estava apenas sendo usada por Onã. O que desagradou ao Senhor Deus. As pessoas não podem ser tratadas como simples objetos.

5 ¶ Se irmãos morarem juntos, e um deles morrer sem filhos, então, a mulher do que morreu não se casará com outro estranho, fora da família; seu cunhado a tomará, e a receberá por mulher, e exercerá para com ela a obrigação de cunhado.
6  O primogênito que ela lhe der será sucessor do nome do seu irmão falecido, para que o nome deste não se apague em Israel.
7  Porém, se o homem não quiser tomar sua cunhada, subirá esta à porta, aos anciãos, e dirá: Meu cunhado recusa suscitar a seu irmão nome em Israel; não quer exercer para comigo a obrigação de cunhado.
8  Então, os anciãos da sua cidade devem chamá-lo e falar-lhe; e, se ele persistir e disser: Não quero tomá-la,
9  então, sua cunhada se chegará a ele na presença dos anciãos, e lhe descalçará a sandália do pé, e lhe cuspirá no rosto, e protestará, e dirá: Assim se fará ao homem que não quer edificar a casa de seu irmão;
10  e o nome de sua casa se chamará em Israel: A casa do descalçado
  
"Em resumo, nada há na natureza que limite necessariamente o sexo à procriação, e nada há na Escritura para proibir o uso dos contraceptivos quando houver uma motivação apropriada (altruísta). A pergunta não é se, mas quando os contraceptivos são moralmente permissíveis." (Ética Cristã. Norman Geisler. São Paulo:Vida Nova, 2006)


Quando o  Controle da  Natalidade „é certo:

 "(1) Por exemplo, adiar a família até que se possa cuidar dela melhor pode ser uma ação muito sábia e altruísta. Se razões psicológicas, econômicas, ou educacionais indicassem um tempo futuro melhor para a família, então não será moralmente errado esperar....

 (2) Além disto, se o controle da natalidade pode ser usado para limitar o tamanho da família conforme a capacidade dos pais de prover para ela, então a pessoa não peca. As Escrituras conclamam o homem a prover pelos seus (1 Tm 5:8) e planejar para o futuro. "Pois, qual de vós," disse Jesus, "pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir?"(Lc 14:28). ..

(3) Além disto, refrear-se de ter filhos por razões da saúde (física ou mental) não é errado como tal. Na realidade, será errado trazer filhos para o mundo se fosse destrutivo para os pais e/ou as condições fossem destrutivas para os filhos.

(4)Finalmente, não é errado evitar ter filhos por algum propósito moral superior tal como Jesus se referiu em Mateus 19:12. Os homens podem dedicar-se voluntariamente ao celibato, ou passar sem filhos em prol do reino de Deus. Enquanto a espécie não estiver sendo ameaçada pela sua abstenção e enquanto a sua dedicação for para o bem dos outros, não é errado usar o controle da natalidade para evitar terem seus próprios filhos."



Para saber sobre a pílula do dia seguinte click no link abaixo:


Bibliografia:
Ética Cristã. Norman Geisler. São Paulo:Vida Nova, 2006
Sexualidade Humana e seus Transtornos. Carmita Abdo. 3ª edição atualizada e ampliada. São Paulo: Leitura Médica, 2010.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

É pecado tomar pílula do dia seguinte?

Não.  

  • Ela previne a concepção se for tomada nas primeiras horas
  • Ela não causa a morte do ovo, zigoto ou embrião
  • Mas deve ser usada apenas em caso de estupro ou como concepção de emergência
Resultado de imagem para pílula do dia seguinte

observe o que dizem os órgãos oficiais:  

  • Organização Mundial da Saúde- OMS
  • Ministério da Saúde- MS
  • Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia- FIGO 
"Foi criado para situações criadas por relações sexuais desprotegidas, falha ou uso indevido de outros contraceptivos (como a omissão de uma pílula ou rupturas ou deslizamentos de preservativos) e para casos de estupro ou sexo forçado sem proteção...

A contracepção de emergência só é eficaz nos primeiros dias após a relação sexual, antes da partida do óvulo do ovário e antes que ocorra a fertilização pelo espermatozóide... A contracepção de emergência não pode interromper uma gravidez estabelecida ou prejudicar um embrião em desenvolvimento. " http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs244/es/  OMS



"MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas NOTA TÉCNICA 
 Assunto: Anticoncepção de Emergência - AE

 A pílula anticoncepcional de emergência (levonorgestrel 0,75 mg), também conhecida como pílula do dia seguinte, é um recurso anticoncepcional importante para evitar uma gravidez indesejada, após uma relação sexual desprotegida. Dessa forma, contribui para diminuir o número de abortos provocados. Trata-se de um método anticoncepcional cientificamente aceito, aprovado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA). 

Não é abortiva, pois não interrompe uma gravidez estabelecida e seu uso deve se dar antes da gravidez. Os vários estudos disponíveis atestam que ela atua impedindo o encontro do espermatozóide com o óvulo, seja inibindo a ovulação, seja espessando o muco cervical ou alterando a capacitação dos espermatozóides. Portanto, o seu mecanismo de ação é basicamente o mesmo dos outros métodos anticoncepcionais hormonais (pílulas e injetáveis).

Seu uso deve ser reservado para situações excepcionais, não devendo ser usada de rotina, substituindo outros métodos anticoncepcionais. Está indicada nas situações de falha de métodos anticoncepcionais (rompimento da camisinha, esquecimento de tomar pílulas ou injetáveis, deslocamento do diafragma ou do DIU, uso incorreto dos métodos comportamentais), de violência sexual, de relação sexual sem uso de método anticoncepcional. A pílula anticoncepcional de emergência deve ser prescrita por médico, iniciada até no máximo 5 dias após a relação sexual desprotegida (entretanto, sua eficácia é maior quanto mais precoce for o seu uso), tomando-se os 2 comprimidos de uma só vez ou fracionados em duas doses, sendo a 2ª dose tomada 12 horas após a 1ª. Os efeitos mais freqüentes após o uso da pílula anticoncepcional de emergência são náuseas e vômitos. 

O mecanismo de ação da AE é ponto de muito interesse, tanto de usuárias como de provedores de saúde. Embora se acumulem investigações científicas sobre o tema, o conhecimento das mulheres e dos profissionais de saúde ainda é relativamente escasso. Isso colabora para que persistam diversas dúvidas, principalmente sobre o risco de “efeito abortivo”. Portanto, o esclarecimento dos efeitos anticonceptivos da AE é fundamental. Nesse sentido, é preciso recordar que uma relação sexual só resulta em gravidez se ela ocorrer no dia da ovulação ou nos cinco dias que a precedem. Este período de fertilidade, de seis dias, varia para cada ciclo e para cada mulher, dada a possibilidade da ovulação ocorrer tão cedo como no 10° dia do ciclo menstrual, ou tão tardiamente quanto no 23°. Os espermatozóides, por sua vez, precisam esperar entre 1 e 5 dias no trato genital feminino, até que se produza a ovulação. E é exatamente nesse espaço de tempo que a AE atua (41). Entretanto, o mecanismo de ação varia bastante conforme o momento do ciclo menstrual em que a AE é administrada. Assim, se utilizada na primeira fase do ciclo menstrual, antes do pico do hormônio luteinizante (LH), a AE altera o desenvolvimento dos folículos, impedindo a ovulação ou a retardando por vários dias (28,32,40,44). A ovulação pode ser impedida ou retardada em quase 85% dos casos e, nessas circunstâncias, os espermatozóides não terão qualquer oportunidade de contato com o óvulo (3). Na segunda fase do ciclo menstrual, após a ovulação, a AE atua por outros mecanismos. Nesses casos, a AE altera o transporte dos espermatozóides e do óvulo nas trompas. O mais importante, é que a AE modifica o muco cervical tornando-o espesso e hostil, impedindo ou dificultando a migração dos espermatozóides do trato genital feminino até as trompas, em direção ao óvulo. Além disso, a AE interfere na capacitação dos espermatozóides, processo fundamental para a fecundação. Por meio de um ou mais desses mecanismos é que a AE impede a fecundação. Significa afirmar que a AE impede o encontro entre o óvulo e os espermatozóides (8,20,32). De toda forma, a eficácia da AE é resultado dos mecanismos de ação descritos que, em conjunto ou isoladamente, atuam impedindo a fecundação e sempre antes da implantação. Não há quaisquer evidências científicas de que a AE exerça efeitos após a fecundação, ou que implique na eliminação precoce do embrião. Não existe nenhuma sustentação científica para afirmar que AE seja um método que resulte em aborto, nem mesmo em um percentual pequeno de casos. As pesquisas asseguram que os mecanismos de ação da AE evitam ou retardam a ovulação, ou impedem a migração dos espermatozóides. Não há encontro entre os gametas masculino e feminino e, portanto, não ocorre a fecundação. A diminuição progressiva da efetividade da AE conforme transcorre o tempo a partir da relação sexual e a incapacidade de produzir sangramento imediato ou em caso de gravidez, são demonstrações simples, mas evidentes, de que a AE é capaz de evitar a gravidez, nunca de interrompê-la (41). A AE impede a fecundação e não há indicadores de que ela atue após este evento. Este fato deveria ser suficiente para estabelecer, claramente, a ausência de efeito abortivo. Apesar disso, conceitos cientificamente incorretos e mitos foram construídos sobre o mecanismo de ação da AE, dando margem a que se levante, equivocadamente, a hipótese de efeito abortivo. Entre os falsos conceitos científicos, o mais comum é acreditar que, nos casos em que ocorreria a fecundação, a gravidez ainda seria evitada por meio de alterações hormonais, conhecidas por efeito luteolítico. O corpo lúteo é estrutura imediatamente formada no mesmo local em que ocorreu a ovulação. Sua função reside, por um curto período de tempo, na produção hormonal necessária para a continuidade do processo reprodutivo. Diversos estudos demonstram que a AE atua sobre o corpo lúteo, levando a uma situação de deficiência funcional. No entanto, não há evidências de que a disfunção luteolítica interfira no processo de implantação (45). O conceito cientificamente incorreto reside em acreditar que a fecundação, uma vez não impedida, sofrerá ação luteolítica. Assim, o processo de implantação do blastocisto seria impedido, resultando no “efeito abortivo precoce”. Esse conceito não tem sustentação, por vários motivos. Primeiro, porque os progestágenos sintéticos contidos na AE são semelhantes a progesterona natural, atuando no organismo do mesmo modo que ela. A progesterona, produzida pelo ovário a partir da ovulação ou administrada depois da fecundação, favorece o desenvolvimento e a manutenção da gravidez. Daí vem o seu nome, progesterona, que significa pró-gestação. É fato absolutamente conhecido de que a progesterona não apresenta efeito abortivo, mesmo se administrada em altas doses. Pelo contrário, ela é essencial para a gravidez. Tanto que, em casos de ameaça de abortamento espontâneo, em gestações desejadas, é freqüente que se indique progesterona natural para evitar o abortamento. O mesmo procedimento é feito nos casos de reprodução assistida, administrando-se a progesterona, de forma profilática, para aumentar suas chances de sucesso. Além disso, investigações recentes sobre os efeitos pós ovulatórios da AE não encontram evidências de alterações no endométrio que pudessem interferir no processo da implantação (8,33,39,44,46). Outros estudos, utilizando a AE após o pico de LH e, portanto, após a ovulação, mostram que os níveis circulantes de progesterona também não sofrem modificações. Para completar, a Organização Mundial da Saúde assegura que a disfunção luteolítica produzida pela AE não se diferencia da disfunção luteolítica induzida pela lactação. A amamentação segue como alternativa anticonceptiva natural e tecnicamente válida, sem que se atribua a ela qualquer “efeito abortivo” devido a possibilidade de disfunção luteolítica (45). A revisão das pesquisas científicas permite afirmar, sem reserva de dúvida, de que a AE não atua após a fecundação e não impede a implantação, caso a fecundação ocorra. 

Por fim, cabe recordar a questão dos mitos, muitas vezes assimilados pelos profissionais de saúde como se fossem verdades, embora sem qualquer fundamentação científica. O mais comum distorce por completo o mecanismo de ação da AE. Segundo o mito, a AE se pautaria em oferecer “altas doses de hormônios” para “espessar o endométrio”. A “interrupção abrupta” desses hormônios levaria a “eliminação do endométrio” e, junto com ele, “interromperia a implantação recente do embrião”. Este mito, absolutamente inconsistente em cada detalhe, ainda persiste entre algumas usuárias e, lamentavelmente, entre profissionais de saúde (10). É um direito assegurado pela Constituição Federal e pela Lei Nº 9.263, que regulamenta o planejamento familiar, o acesso das pessoas às informações, métodos e técnicas para a concepção e para a anticoncepção, cientificamente aceita e que não coloquem em risco a vida e a saúde das pessoas. No Brasil, a AE é medicação aprovada pelos órgãos de vigilância sanitária e disponível, comercialmente, mediante receita médica. Além disso, a AE é recomendada pelo Ministério da Saúde nas normas técnicas de Planejamento Familiar (1996) e Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes das Violências Sexuais contra Mulheres e Adolescentes. A Academia Nacional de Medicina referenda a AE e a utilização do método também faz parte das recomendações e orientações do Conselho Federal de Medicina, através de resolução Federal, bem como da Federação Brasileira das Associações e Ginecologia e Obstetrícia e da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana. É ainda recomendada pela Organização Mundial da Saúde, pela International Planned Parenthood Federation (IPPF), pela Family Health International (FHI), pela Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO) e pelas agências reguladoras da maioria dos países, incluindo a Food and Drug Administration (FDA). " 


"1. O que é anticoncepção de emergência? 
R: A anticoncepção de emergência (AE) é um método anticonceptivo que visa prevenir a gestação após a relação sexual. O método, também conhecido por “pílula do dia seguinte”, ou ainda como “anticoncepção pós-coital”, utiliza compostos hormonais concentrados e atua por curto período de tempo nos dias seguintes da relação sexual. Diferente de outros métodos anticonceptivos que atuam na prevenção da gravidez antes ou durante a relação sexual, a AE tem indicação reservada a situações especiais ou de exceção, com o objetivo de prevenir gravidez inoportuna ou indesejada2, 28, 80

3. Em quais situações a anticoncepção de emergência está indicada?
R: As indicações da AE são reservadas para situações especiais e excepcionais. O objetivo da AE é prevenir a gravidez inoportuna ou indesejada após relação sexual que, por alguma razão, foi desprotegida. Entre as principais indicações de AE, está a relação sexual sem uso de método anticonceptivo, por razão de violência sexual, falha conhecida ou presumida do método em uso de rotina ou uso inadequado do anticonceptivo. Essas situações são frequentes. Entre as falhas dos  anticonceptivos, podem-se citar rompimento do preservativo, algo relativamente comum, ou deslocamento do diafragma. Esquecimento prolongado do anticonceptivo oral, atraso na data do injetável mensal, cálculo incorreto do período fértil, erro no período de abstinência ou interpretação equivocada da temperatura basal são algumas circunstâncias que levam ao uso inadequado do método e expõem ao risco de gravidez.

 Nos casos de violência sexual, a mulher adolescente, jovem ou adulta é submetida a extremo sofrimento físico e psicológico, comprometendo, muitas vezes de forma irreversível, sua saúde mental e física. Para agravar o quadro já traumático, privada da possibilidade de escolha, a mulher pode ainda sofrer uma segunda violência: a gravidez indesejada9 . O método de AE assegura às mulheres uma anticoncepção preventiva, na perspectiva da redução de danos. Cumpre ressaltar que qualquer relação sexual forçada, mesmo que praticada pelo marido, é crime violento contra a mulher (vide Lei nº 11.340/2006). Menos explícita que outras formas de violência, algumas coerções sexuais que permeiam o cotidiano de muitos casais são sutis, mas extremamente cruéis, pois restringem a livre escolha e o exercício da sexualidade das mulheres, fazendo uso de intimidação, ameaça e violência psicológica. Ademais, a violência sexual contra as mulheres pode ser considerada, ainda, crime contra a humanidade, conforme Tratado de Roma ratificado pelo Brasil. Em situações de conflito armado o estupro é frequentemente utilizado como método para gravidez forçada com a finalidade de elimina- ção étnica ou como instrumento de guerra. Por fim, as situações aqui descritas constituem exemplos de indicação apropriada da AE, na medida em que todas são condições excepcionais25, 40 60, 80. A AE não deve ser usada de forma planejada, previamente programada, ou substituir método anticonceptivo como rotina15.

16. A Anticoncepção de Emergência pode atuar como método abortivo?

 R: Não existe nenhuma sustentação científica para afirmar que a AE seja método que resulte em aborto, nem mesmo em percentual pequeno de casos. As pesquisas asseguram que os mecanismos de ação da AE evitam ou retardam a ovulação, ou impedem a migração dos espermatozóides. Não há encontro entre os gametas masculino e feminino e, portanto, não ocorre a fecundação. A diminuição progressiva da efetividade da AE, conforme transcorre o tempo a partir da relação sexual, e a incapacidade de produzir sangramento imediato ou em caso de gravidez são demonstrações simples, mas evidentes, de que a AE é capaz de evitar a gravidez, nunca de interrompê-la 41. 

A AE impede a fecundação e não há indicadores de que ela atue após esse evento. Este fato deveria ser suficiente para estabelecer, claramente, a ausência de efeito abortivo. Apesar disso, conceitos cientificamente incorretos e mitos foram construídos sobre o mecanismo de ação da AE, dando margem a que se levante, equivocadamente, a hipótese de efeito abortivo. Entre os falsos conceitos científicos, o mais comum é acreditar que, nos casos em que ocorreria a fecundação, a gravidez ainda seria evitada por meio de alterações hormonais, conhecidas por efeito luteolítico. O corpo lúteo é a estrutura imediatamente formada no mesmo local em que ocorreu a ovulação. Sua função reside, por um curto período de tempo, na produção hormonal necessária para a continuidade do processo reprodutivo. Diversos estudos demonstram que a AE atua sobre o corpo lúteo, levando a uma situação de deficiência funcional. No entanto, não há evidências de que a disfunção luteolítica interfira no processo de implantação45. O conceito cientificamente incorreto reside em acreditar que a fecundação, uma vez não impedida, sofrerá ação luteolítica. Assim, o processo de implantação do blastocisto seria impedido, resultando no “efeito abortivo precoce”. Esse conceito não tem sustentação, por vários motivos.

 Primeiro, porque os progestágenos sintéticos contidos na AE são semelhantes à progesterona natural, atuando no organismo do mesmo modo que ela. A progesterona, produzida pelo ovário a partir da ovulação ou administrada depois da fecundação, favorece o desenvolvimento e a manutenção da gravidez. Daí vem o seu nome, progesterona, que significa pró-gestação. É fato absolutamente conhecido que a progesterona não apresenta efeito abortivo, mesmo se administrada em altas doses. Pelo contrário, ela é essencial para a gravidez. Tanto que, em casos de ameaça de abortamento espontâneo, em gestações desejadas, é freqüente que se indique progesterona natural para evitar o abortamento. O mesmo procedimento é feito nos casos de reprodução assistida, administrando-se a progesterona, de forma profilática, para aumentar suas chances de sucesso. Além disso, investigações recentes sobre os efeitos pós-ovulatórios da AE não encontram evidências de alterações no endométrio que pudessem interferir no processo da implantação8, 33, 39, 44, 46. Outros estudos, utilizando a AE após o pico de LH e, portanto, após a ovulação, mostram que os níveis circulantes de progesterona também não sofrem modificações. Para completar, a Organização Mundial de Saúde assegura que a disfunção luteolítica produzida pela AE não se diferencia da disfunção luteolítica induzida pela lactação. A amamentação segue como alternativa anticonceptiva natural e tecnicamente válida, sem que se atribua a ela qualquer “efeito abortivo”, devido à possibilidade de disfunção luteolítica45.

 A revisão das pesquisas científicas permite afirmar, sem reserva de dúvida, que a AE não atua após a fecundação e não impede a implantação, caso a fecundação ocorra. Por fim, cabe recordar a questão dos mitos, muitas vezes assimilados pelos profissionais de saúde como se fossem verdades, embora sem qualquer fundamentação científica. O mais comum distorce por completo o mecanismo de ação da AE. Segundo o mito, a AE se pautaria em oferecer “altas doses de hormônios” para “espessar o endométrio”. A “interrupção abrupta” desses 13 hormônios levaria à “eliminação do endométrio” e, junto com ele, “interromperia a implantação recente do embrião”. Este mito, absolutamente inconsistente em cada detalhe, ainda persiste entre algumas usuárias e, lamentavelmente, entre profissionais de saúde10. "

NOTAS
1. A ANTICONCEPÇÃO de emergência: um grupo de consulta para seu uso no Brasil. Femina, [s.l.], v. 24, n.6, p. 567-569, 1996. 
2. BELLAGIO conference on emergency contraception. Consensus statement on emergency contraception, [s.l.], v. 52, p. 211-213, 1995. 
3. BRACHE, V. et al. Efecto de la administración de levonorgestrel solo como anticoncepción de emergencia sobre la función ovulatoria. Resúmenes de la XVIII reunión de la asociación latinoamericana de investigadores en reproducción Humana, Cuba, p. 28-31, 2003.
 4. BRACKEN, M. B. Oral contraception and congenital malformations in offspring: a review and meta-analysis of the prospective studies. Obstet. Gynecol., [s.l.]. n. 76, p. 552-557, 1990. 
5. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DE SÃO PAULO. Código de ética: resolução CFM nº 1.246. Brasília: Diário Oficial da União, 1988.
 6. ______. Violência sexual e aspectos éticos da assistência. In: ______. Cadernos de ética em ginecologia e obstetrícia. 2. ed. São Paulo, 2002. p. 71-78. 
7. COUTINHO, E. M. et al. Comparative study on the efficacy and acceptability of two contraceptive pills administered by the vaginal route: an international multicenter clinical trial. Clin. Pharmacol. Ther., [s.l.], v. 1, p. 65-75, 1993. 
8. CROXATO, H. La píldora anticonceptiva de emergencia y la generación de un nuevo individuo. Reflexión y Liberación, [s.l.], n. 61, p. 33-39, 2004. 
9. DELBANCO, S. F. et al. Are we making progress with emergency contraception: recent findings on american adults and health professionals. J. Am. Med. Wom. Assoc., [s.l.], v. 53, p. 242-246, 1998. Suppl. 2. 
10. DREZETT, J. et al. Contracepção de emergência para mulheres vítimas de estupro. Rev. Centro Ref., [s.l.], v. 2, n. 3, p. 29-33, 1998. 
11. ______. Atencíon a mujeres sobrevivientes de violencia sexual: el rol de los servicios de salud. Comunicaciones, v. 10. n. 13, p. 5-18, 2003. 
12. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado S.A., 1993. 
13. FAÚNDES, A.; BRACHE, V.; ALVAREZ, F. Emergency contraception: clinical and ethical aspects. Gynecol. Obstet., [s.l.], n. 82, p. 297-395, 2003. 
14. FAÚNDES, A.; LEOCÁDIO, E.; ANDALAFT NETO, J. V Fórum de atendimento integral à mulher vítima de violência sexual. Femina, [s.l.], v. 29, n. 2, p. 107-111, 2001. 
15. FIGUEIREDO, R. Brasil: uso de anticoncepción de emergencia por jóvenes. Boletín CLAE, [s.l.], v. 1, n. 2, p. 10, 2003. 
16. FORMIGA FILHO, J. F. N. Anticoncepção de emergência. Femina, [s.l.], 1997, v. 25, n. 4, p. 301-10, 1997. 17. GLASIER, A. Emergency postcoital contraception. N. Engl. J. Med., [s.l.], v. 337, p. 1058-1064, 1997. 

18. GLASIER, A.; BAIRD, D. The effects of self-administering emergency contraception. N. Engl. J. Med., [s.l.], v. 339, p. 1-4, 1998. 19. GRIMES, D. A. Emergency contraception: expanding opportunities for primary prevention. The New England Journal of Medicine, [s.l.], 1997, v. 337, n. 15, p. 1078-1079, 1997. 20. GROU, F.; RODRIGUES, I. The morning-after pill-how long after? Am. J. Obstet. Gynecol., [s.l], n. 171, p. 1529- 1534, 1994. 
21. GUILLEBAUD, J. Time for emergency contraception with levonorgestrel alone. Lancet., [s.l ], v. 352, p. 416, 1998. 
22. HARPER, C.; ELLERTSON, C. The emergency contraceptive pill: a survey of knowledge and attitudes among students at Princeton University. Am. J. Obstet. Gynecol. [s.l.], v. 173, p. 1438-1445, 1995. 

23. HATCHER, R. A. Emergency contraception: the nation's best kept secret. Decatur G. A.: Bridging the Gap Communications, 1995.

 24. HUGHES, E. C. Committee on terminology, The American College of Obstetricians and Gynecologists, Obstetric-Gynecologic Terminology. Philadelphia P. A.: F. A. Davis Company, 1972.
 25. KOSUNEN, E.; SIHVO, S.; HEMMINSKI, E. Knowledge and use of hormonal emergency contraception in Finland. Contraception, [s.l.], v. 55, p. 153-157, 1997. 
26. KOZARIC-KOVACIC, D. et al. Rape, torture and traumatization of Bosnian and Croatian women: psychological sequelae. Am. J. Orthopsychiatry, [s.l.], v. 65, p. 428-433, 1995. 
27. LANGER, A.; ESPINOZA, H. Embarazo no deseado: impacto sobre la salud y la sociedad en América Latina y el Caribe. In: RAMOS, S.; GUTIÉRREZ, M. A. Nuevos desafíos de la responsabilidad política. Rio de Janeiro: Foro de la Sociedad Civil en las Americas, 2002. 
28. LING, W. Y. et al. Mode of action of dlnorgestrel and ethinylestradiol combination in postcoital contraception. Fertil. Steril., [s.l.], v. 32, p. 297-302, 1979. 
29. BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência ao planejamento familiar. Brasília, 1996. 19 NOTAS 
30. ______. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes. Brasília, 2004. 
31. CODE of Federal Regulations 45CFR 46. OPRR Reports: Protection of Human Subjects, 8 mar., 1983. 
32. ORTIZ, M. A.; CROXATO, H. Mecanismos de acción de la anticoncepción de emergencia. Boletín CLAE, [s.l.], v. 1, n. 2, p. 2, 2003. 
33. PALOMINO, A. Efecto de levonorgestrel como anticoncepción de emergencia sobre receptores de endometrio durante la ventana de implantación. Resúmenes de la XVIII reunión de la asociación latinoamericana de investigadores en reproducción Humana, Cuba, p. 28-31, 2003. 
34. PIAGGIO, G. Timing of emergency contraception with levonorgestrel or the Yuzpe regimen. Lancet., [s.l.], v. 353, p. 721, 1999. 
35. PYETT, P. M. Postcoital contraception: who uses the “morning after pill”? Aust N. Z. J. Obstet. Gynaecol., [s.l.], v. 3, p. 347-350, 1996.
 36. RADHAKRISHNA, A.; GRINGLE, R. E.; GREENSLADE, F. C. Identificando a interseção: adolescência, gravidez não desejada, HIV/Aids e aborto em condições de risco. Chapel Hill, N. C.: Ipas, 1999. 
37. RAMAN-WILMS, L. et al. Fetal genital effects of first-trimester sex hormone exposure: a meta-analysis. Obstet. Gynecol., [s.l.], v. 85, p. 141-149, 1995. 
38. RAYMOND, E. et al. Effectiveness of meclizine in preventing nausea associated with emergency contraceptive pills. Research Triangle N. C.: Family Health International, 1999. 
39. RAYMOND, E. et al. Effect of the Yuzpe regimen of emergency contraception on markers of endometrial receptivity. Hum. Reprod., [s.l.], v. 15, p. 2351-2355, 2000. 
40. ROWLANDS, S. et al. A possible mechanism of action of danazol and an ethinylestradiol/norgestrel combination used as postcoital contraceptive agents. Contraception, [s.l.], v. 33, p. 539-545, 1986. 
41. SCHIAVON, R. et al. Anticoncepción de emergencia: un método simple, seguro, efectivo y económico para prevenir embarazos no deseados. Resúmenes de la Primera Conferencia del Consorcio Latinoamericano de Anticoncepción de Emergencia, Quito, 2002. 
42. SIMPSON, J. L.; PHILLIPS, O. P. Spermicides, hormonal contraception and congenital malformations. Adv. Contracept., [s.l.], 1990, p. 141-167. 
43. SOTO, G. M. Servicios amigables para jóvenes. Boletín CLAE, [s.l.], v. 1, n. 2, p. 9-10, 2003.
 44. SWAHN, M. L. et al. Effect of post-coital contraceptive methods on the endometrium and the menstrual cycle. Acta. Obstet. Gynecol. Scand., [s.l.], v. 75, p. 738-744, 1996.
 45. TASK FORCE ON POSTOVULATORY METHODS OF FERTILITY REGULATION. Randomised controlled trial of levonorgestrel versus the Yuzpe regimen of combined oral contraceptives for emergency contraception. Lancet., [s.l.], v. 352, p. 428-433, 1998. 
46. TASKIN, O. et al. High doses of oral contraceptives do not alter endometrial ±1 and ± 3integrins in the late implantation window. Fertil. Steril., [s.l.], v. 61, p. 850-855, 1994. 
47. TORRES, J. H. R. Aspectos legais do abortamento. Jornal da Redesaúde, [s.l.], v. 18, p. 7-9, 1999. 
48. TRUSSELL, J.; ELLERTSON, C.; STEWART, F. The effectiveness of the Yuzpe regimen of emergency contraception. Fam. Plann. Perspect., [s.l.], v. 28, p. 58-64, 1996. 
49. TRUSSELL, J.; RODRÍGUEZ, G.; ELLERTSON, C. New estimates of the effectiveness of the Yuzpe regimen of emergency contraception. Contraception, [s.l.], n. 57, p. 363-369, 1998. 

50. VAN LOOK , P. F. A.; STEWART, F. Emergency contraception. In HATCHER, R. A. et al. Contraceptive Technology. 17 ed. New York: Ardent Media, 1998.
 51. VON HERTZEN, H. et al. Low dose mifeprostone and two regimes of levonorgestrel for emergency contraception: a WHO multicentre randomized trial. Lancet., [s.l.], v. 360, p. 1803-1810, 2002.
 52. WEBB, A. Emergency contraception. Fert. Control. Rev., [s.l.], v. 4, p. 3-7, 1995. 
53. ______. How safe is the Yuzpe method of emergency contraception. Fert. Control. Rev., [s.l.], v. 4, p. 16-18, 1995. 
54. WILCOX, A. J.; WEINBERG, C. R.; BAIRD, D. D. Timing of sexual intercourse in relation to ovulation. Effects on the probability of conception, survival of the pregnancy and sex of the baby. N. Engl. J. Med., [s.l.], v. 333, p. 1517-1521, 1995. 
55. _______. Time of implantation of the conceptus and loss of pregnancy. N. Engl. J. Med., v. 340, p. 1796-99, 1999.

 56. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Improving access to quality care in family planning medical eligibility criteria for initiating and continuing use of contraceptive methods. Geneva, 1996. 

57. ______. Emergency contraception: a guide for service delivery: WHO/FRH7FPP798.19. Geneva, 1998. 58. ______. Safe abortion: technical and policy guidance for health systems. Geneva, 2003. 59. YUZPE, A.; PERCIVAL-SMITH, R.; RADEMAKER, A. W. A multicenter clinical investigation employing ethinyl estradiol combined whith dl-norgestrel as a postcoital contraceptive agent. Fertility and Sterility, [s.l.], 1982.
 FONTE:
ANTICONCEPÇÃO DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE --MINISTERIO DA SÁÚDE  http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/anticoncepcao_emergencia_perguntas_respostas_2ed.pdf



Anticoncepção de emergência POSICIONAMENTO Março 2011 
International Federation of Gynecology & Obstetrics (FIGO) 

"MECANISMO DE AÇÃO 
Como as pílulas de anticoncepção de emergência (PAE) com levonorgestrel (LNG) previnem a gravidez? A contracepção de emergência que contém apenas levonorgestrel:
• Interfere no processo de ovulação;
• Possivelmente, pode evitar o encontro do espermatozoide com ovocito.

Evidência:

Ovulação:
 • Vários estudos demonstraram que as PAE com LNG impedem ou retardam a ovulação. Quando utilizadas antes da ovulação, as PAE com LNG inibem o pico pré-ovulatório da Hormona Luteinica (LH), impedindo o desenvolvimento, maturação folicular e/ou a liberação do óvulo.1, 2, 3,4,5,6,7,8, Este é o principal mecanismo de acção das PAE com LNG. .

Implantação:
• A eficácia das PAE com LNG foi avaliada em dois estudos, em que o dia do ciclo foi confirmado por meio de doseamentos hormonais (outros estudos usaram o dia do ciclo informado pelas próprias mulheres). Nestes estudos, nenhuma gravidez ocorreu nas mulheres que tomaram PAE com LNG antes da ovulação, enquanto gravidezes ocorreram apenas em mulheres que tomaram PAE com LNG no dia ou após a ovulação, evidenciando que as PAE não foram capaz de prevenir a implantação.9,10

 • Vários estudos avaliaram se as PAE com LNG produzem alterações nas características histológicas e bioquímicas do endométrio. A maioria destes estudos demonstrou que as PAE com LNG não têm efeito no endométrio, o que indica que não interferem na implantação.1, 2, 11, 12, 13 Um destes estudos demonstrou que a administração de uma dose duas vezes superior à dose padrão de LNG não provoca (ou provoca de forma ligeira) alterações endometriais.12 Apenas um estudo encontrou um único padrão de alteração endometrial quando as PAE com LNG foram administradas antes do pico LH, na fase em que as PAE com LNG inibem a ovulação.14 • Um estudo demonstrou que o LNG não impediu a implantação de embriões humanos em cultivo de células endometriais (in vitro). 15

• Estudos realizados em animais demonstraram que as PAE com LNG não impediram a implantação do ovo fecundado no endométrio.16,17

Espermatozoides: 
• Existem resultados contraditórios sobre o efeito da administração póscoital de LNG e nas doses usadas para anticoncepção de emergencia quanto à função espermática.
• Estudos anteriores sugeriam que as PAE com LNG interferiam na motilidade do espermatozóide por espessamento do muco cervical.18, 19 No entanto, dois estudos in vitro apontaram que o LNG em doses usadas para anticoncepção de emergência não tem efeito direto sobre a função espermática.20, 21 Estudos recentes in vivo não demonstraram efeito do LNG, sobre o número de espermatozoides viáveis encontrados no tracto genital feminino 24 a 28 horas depois da utilização de PAE.22 A interferên- cia na migração dos espermatozoides é também uma possível explicação para as mulheres que tomaram PAE com LNG antes da ovulação, mas tiveram rotura de folículo documentada nos 5 dias a seguir, e mesmo assim não engravidaram.9
• Pelos resultados apresentados, pode afirmar-se que este mecanismo de acção ainda não é completamente conhecido, sendo necessários mais estudos para o seu esclarecimento.

Efeitos na gravidez: 
• Dois estudos com mulheres que engravidaram em ciclo em que usaram PAE com LNG não encontraram diferenças entre os resultados da gestação em mulheres que haviam utilizado PAE com LNG e entre as que não as haviam utilizado. As variáveis incluídas foram o aborto espontâneo, peso ao nascer, malformação e a proporção entre o sexo dos recém-nascidos, o que indica que as PAE com LNG não têm efeito na gestação já estabelecida, inclusive em estágio inicial.23,24 Outros factos:

• A contracepção de emergência não é o mesmo que aborto médico precoce.
PAE com LNG são eficazes somente quando usadas nos primeiros dias após a relação sexual desprotegida e antes da ovulação e da fecundação. O aborto médico é uma opção para as mulheres com gestações em estágios iniciais e requer um medicamento diferente do levonorgestrel. 

As PAE com LNG não podem interromper uma gravidez já estabelecida nem provocar prejuízos no embrião em desenvolvimento.

Implicações da investigação: 
• A inibição ou atraso na ovulação é o principal e possivelmente o único mecanismo de acção das PAE com LNG.
• A revisão da evidência científica sugere que as PAE com LNG não interferem na implantação de um ovo fecundado. É recomendável não haver referências sobre a implantação na bula ou embalagem das PAE com LNG.
O facto de não se ter demonstrado efeito das PAE com LNG sobre a implantação explica porque não são 100% eficazes em prevenir uma gravidez e porque são menos efectivas quanto mais tarde for a toma. Deve-se informar claramente às mulheres que as PAE com LNG são mais eficazes quanto mais precoce for a toma.
 • As PAE com LNG não interrompem a gravidez (qualquer que seja a definição de início de gravidez). Entretanto, as PAE com LNG podem prevenir o aborto ao reduzir o número de gestações não desejadas."

FONTE:
http://www.spdc.pt/files/publicacoes/12_11364_2.pdf
http://www.figo.org/sites/default/files/uploads/MOA_FINAL_2011_ENG.pdf
http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs244/es/

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Desejo sexual humano x desejo sexual animal

Resultado de imagem para desejo



"..todos os animais tem sua atividade sexual e reprodução disciplinadas rigorosamente pelos mecanismos biológicos hormonais, ativos apenas em períodos determinados pela natureza" p. 19

"A função sexual dos animais é regulamentada estritamente pelos ciclos naturais e só visa a procriar; a  humana é uma sexualidade ampla e ilimitada: não tem nenhum equivalente no reino animal" p. 19

"a disponibilidade  sexual dos humanos é permanente na vida adulta...O princípio do prazer (constante), e não outros reguladores biológicos, é que determina a sexualidade humana"p. 19

"somente entre os animais irracionais a função sexual é restrita ao objetivo de reprodução da espécie" p. 19

"Desprovida de freios e inibidores biológicos,a sexualidade humana é disciplinada apenas - e não completamente - pelas interdições socioculturais" p. 20

"De fato, desde o nascimento, o sexo anatômico já determina a identidade civil: um nome masculino  ou feminino, a que se agregam sucessivos direitos e deveres, regras de comportamento, expectativas..." p. 21

"A sexualidade extrapola os limites da anatomia e fisiologia"p. 25

"O desempenho sexual não depende  só de anatomia e da fisiologia, mas também da integração dos fatores biológicos, psicológico, social e cultural" p. 25

"A sexualidade  é o principal  polo estruturante da  identidade  e da personalidade do indivíduo" p. 25

Bibliografia
Sexualidade Humana e seus Transtornos. Carmita Abdo. 3ª edição atualizada e ampliada. São Paulo: Leitura Médica, 2010


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

É possivel mudar a orientação sexual ou preferência sexual?

A sexualidade é uma construção social:


Fonte: Uma interpretação do desejo. Jhon H.  Gagnon.Garamond

Uma Interpretação do Desejo  -  John H. Gagnon
O autor, referência mundial na área de estudos sociológico e históricos da sexualidade, aborda temas como abuso sexual, adolescência, pornografia, homossexualidade masculina e feminina e terapias sexuais, além de expor a elaboração da teoria dos roteiros sexuais.
14x21cm, 456 páginas, ISBN 85-7617-091-4
muito comum as pessoas mudarem preferências quanto ao gênero nas relações eróticas ao longo da vida... Do ponto de vista da teoria da roteirização, as preferências eróticas por pessoas do mesmo gênero são despertadas pelos sistemas de significação oferecidos à conduta por uma dada cultura" p. 194

"No estudo das preferencias quanto ao gênero nas relações eróticas (também conhecidas como heterossexualidade ou homossexualidade, sexualidade gay, lesbianismo, sexualidade hetero ou orientação sexual), as características do ator sexual e de sua conduta são cada vez mais reconhecidas como um artefato  especificamente  cultural e histórico... é patente que o sexo entre homens e mulheres e homens e homens e entre  mulheres e mulheres não é o mesmo  nas diferentes culturas, ou em diferentes momentos da história.... a construção social da sexualidade..."

"Essa preferencia é instável e mutável no correr da vida.
Essa instabilidade é tanto interna ( o que desejamos na outra pessoa muda) como externa (podemos vir a desejar pessoas do outro gênero, assim com pessoas do mesmo gênero).p. 162

O anseio de alguns gays e lésbicas  de localizar a origem de seus desejos numa biologia ou numa experiência precoce inalteradas e imutáveis merece uma resposta respeitosa, muito embora eu o considere um erro... A tese da construção social segundo  a qual as preferencias eróticas pelo mesmo gênero são simples artefatos culturais..."p. 165


"Nas circunstâncias contemporâneas, a concepção do desejo pelo mesmo gênero com uma orientação irreversível é menos plausível para muitos gays e lésbicas, bem como para a opinião acadêmica"202

"A intensa reação negativa a bissexualidade  e às lésbicas políticas, bem como a construção de testes de identidade para as fornas culturalmente corretas de ser gay ou lésbica, representam o reconhecimento, por alguns membros de gays e lésbicas, de que essa própria comunidade é relativamente permeável e de que as preferencias que a organizaram são potencialmente muito instáveis"p. 206


"os debates sobre a importância da fixação precoce da orientação sexual, a estabilidade da preferência quanto ao gênero nas relações eróticas ao longo da vida e as diferenças baseadas no gênero entre o estilo de vida dos gays e lésbicas já não são discussões entre os cientistas, mas fazem parte de intensos debates politicos-ideológicos dentro das comunidades  de gays e de lésbicas" p. 197

"Hoje em dia, é possível reconhecer que pode haver mudanças nas preferênicas quanto ao gênero nas relações eróticas, tanto na fantasia, quanto na conduta, durante a vida inteira. Essa instabilidade parece prevalecer particularmente na adolescência, quando se está vivenciando o processo de adquirir os roteiros sexuais apropriados a cada gênero...  está bastante claro que , na faixa dos 12 aos 17 anos, os aspectos de gênero do "quem" dos roteiros sexuais em processo de formação não são fixos (Kinsey, Pomeroy, e Martim, 1948) p. 203

Há também indicações  de que um número maior de pessoas que antes tinham preferências eróticas exclusivas ou quase exclusivas pelo mesmo gênero vem  fazendo experiências com a conduta erótica em realação ao gênero oposto.p. 205


""...as preferencias eróticas por pessoas do mesmo gênero são despertadas e moldadas pelos mesmos sistemas de significação oferecidos à conduta por uma dada cultura"


"A homossexualidade era socialmente construída, informaram os cientistas da sociais, e vivida de maneiras determinadas pela cultura e pela história, e não por fatores biológicos ou distorções precoces da personalidade. p. 278

"A flexibilidade e a receptividade à mudança que tem caracterizado a os indivíduos da comunidade gay talvez nos deem as indicações mais instrutivas sobre a natureza da sexualidade como um elemento receptivo à cultura e ao contexto,e não como algo fixo e imutável. p. 282

sábado, 28 de janeiro de 2017

Jesus tinha uma esposa?


Image result for JESUS ERA CASADO

Existe supostamente 2 provas de qeu Jesus era casado com Maria Madalena
 1- O Evangelho de Felipe
2- O Evangelho da "Mulher de Jesus

1-O Evangelho de Felipe
A teoria de que Jesus era casado com Maria Madalena aparece no livro de ficção o O Código da Vinci e cita o Evangelho de Felipe"

"A exemplo dos rolos do Mar Morto, os documentos encontrados em Nag Hammadi apontam que Jesus era casado com Maria Madalena."
“[Os evangelhos gnósticos] são os mais antigos registros cristãos. Estranhamente eles não coincidem com os evangelhos que encontramos no Bíblia”. Citando um trecho do Evangelho de Filipe, é dito “e a companheira do Salvador é Maria Madalena”, e a respeito do verbete “companheira” o livro explica que “a palavra companheira, naquela época, literalmente significava esposa” (todas as citações da pg. 233 de O Codigo da Vinci)

“[os Manuscritos do Mar Morto e o Manuscritos de Nag Hammadi] falam do ministério de Cristo em
termos muito humanos.” (Idem, pg. 223)

“De acordo com estes evangelhos originais e inalterados [o Evangelho de Maria Madalena e Filipe],
não foi a Pedro que Cristo deu instruções para fundar a Igreja Cristã. Foi a Maria Madalena.”
(Idem, pg. 235)  Citado em "Separando Ficção e Realidade em O Código Da Vinci"

Resposta:

1-Segundo o Evangelho de Felipe Jesus amava Madalena tanto quanto os outros

32 Três [eram as que] caminhavam continuamente com o Senhor: sua mãe Maria, a irmã desta e Madalena, a quem se designa como sua companheira. Maria é, de fato, sua irmã, sua mãe e companheira
55 A Sofia — a quem chamam "a estéril" — é a mãe dos anjos: a companheira [de Cristo é Maria] Madalena. [O Senhor amava Maria] mais do que a todos os discípulos [e] a beijou na [boca repetidas] vezes. Os demais [...] lhe disseram: `Por que a queres mais que a todos nós"? O Salvador respondeu e lhes disse: "A que se deve isso que não vos quero tanto quanto a ela"?

2-A palavra ESPOSA ocorre no Evangelho de Felipe e portanto o termo companheira não significa necessariamente esposa

61 Entre os espíritos impuros existem machos e fêmeas. Os machos são aqueles que copulam com as almas que estão alojadas em uma figura feminina. As fêmeas, ao contrário, são aquelas que estão unidas com os que se abrigam em um figura masculina por culpa de uma desobediente. E ninguém poderá fugir desses espíritos se cair em poder deles, a não ser que seja dotado simultaneamente de uma força masculina e outra feminina — isto é, esposo e esposa — provenientes da câmara nupcial em imagem.

82 Digamos — se é permitido — um segredo: o Pai do Todo se uniu com a virgem que havia descido e um fogo o iluminou naquele dia. Ele deu a conhecer a grande câmara nupcial, e por isso seu corpo — que teve origem naquele dia — saiu da câmara nupcial como quem tivesse sido engendrado pelo esposo e a esposa. E também, graças a estes, encaminhou Jesus o Todo a ela, sendo ...

122 [Ninguém poderá] saber nunca qual é [o dia em que o homem] e a mulher copulam — fora deles mesmos —, uma vez que as núpcias d[este] mundo são um mistério para aqueles que tomaram mulher. E se o matrimônio da poluição permanece oculto, tanto mais constituirá verdadeiro mistério o casamento impoluto. Este não é carnal, mas puro; não pertence à paixão, mas à vontade; não pertence às trevas ou à noite, mas ao dia e à luz. Se a união matrimonial se realiza a descoberto, fica reduzida a um ato de fornicação. Não só quando a esposa recebe o sêmen de outro homem, mas também quando abandona a sua alcova à vista [de outros], comete um ato de fornicação...Esposos e esposas pertencem à câmara nupcial. Ninguém poderá ver o esposo e a esposa, a não ser que [ele mesmo] venha a sê-lo. Apócrifos e Pseudo-epígrafos da Bíblia. São Paulo: Fonte Editorial, 2005.

3- Jesus beijava não só Madalena, como também seus discípulos

31 [Aquele que...] pela boca; [se] o Logos tivesse saído dali se alimentaria pela boca e seria perfeito. Os perfeitos são fecundados por um beijo e engendram. Por isso nós nos beijamos uns aos outros [e] recebemos fecundação pela graça que nos é comum
55 A Sofia — a quem chamam "a estéril" — é a mãe dos anjos: a companheira [de Cristo é Maria] Madalena. [O Senhor amava Maria] mais do que a todos os discípulos [e] a beijou na [boca repetidas] vezes. Os demais [...] lhe disseram: `Por que a queres mais que a todos nós"? O Salvador respondeu c lhes disse: "A que se deve isso que não vos quero tanto quanto a ela"? Apócrifos e Pseudo-epígrafos da Bíblia. São Paulo: Fonte Editorial, 2005.


REFUTAÇÃO
HISTÓRICA
"a. Os chamados Documentos de Nag Hammadi são Códices (manuscritos em forma de livro)
descobertos em 1945 d.C.. Escritos em Copta nos séculos II e III, eles se constituem de 48 ou 49
documentos, os quais estão encadernados em 13 Códices de Papiro. A lista completa destes livros
está colocada no Apêndice 2. Os evangelhos encontrados em Nag Hammadi são:
...
Evangelho de Filipe – Existe um único fragmento copta do Evangelho de Filipe, o qual tem
sua datação variando entre 180 e 250 d.C. Embora esteja escrito em Copta, tanto estudiosos cristãos quanto gnósticos afirmam que a versão existente se originou de um texto anterior grego. A exemplo dos outros evangelhos gnósticos, o texto em questão não foi produzido pelo discípulo Filipe, mas sim por gnósticos influenciados pela filosofia e cultura grega.

 Transcrito logo abaixo da Acusação, o texto da pg. 233 de OCDV afirma que a palavra “companheira” encontrada no Evangelho de Filipe significa “esposa”. Para fazermos nossa defesa, faz-se necessário reescrever o texto conforme ele de fato aparece no Evangelho de Filipe:

"A Sophia, que é chamada de “a estéril”, é a mãe (dos) anjos. E a companheira do (Salvador é) Maria Madalena. (Cristo amava-a) mais do que (todos) os discípulos (e costumava) beijá-la (frequentemente) em seus (lábios). Os demais (discípulos ofendiam-se com isso e expressavam sua desaprovação). Eles lhe disseram: “Por que a amas mais do que a todos nós?”. O Salvador respondeu dizendo: “Por que não os amo como a ela? Quando um cego e uma pessoa normal estão juntos na
escuridão, não são diferentes um do outro. Quando chega a luz, então, aquele que vê verá a luz, e o cego permanecerá na escuridão”.bbb

As seguintes considerações devem ser feitas a respeito do texto acima:
i. Em primeiro lugar, é importante lembrar que os textos entre parênteses não existem no fragmentado texto original, de modo que o conteúdo existente nos parênteses não passa de conjectura. Todavia, ainda que o texto original tivesse nas lacunas um complemento similar ao apresentado, o espanto dos discípulos ao verem Jesus beijar
Maria Madalena não favorece a idéia de que fossem casados.

ii. O estudo de textos antigos parece não ser o forte de Brown, pois a palavra traduzida por companheira no Evangelho de Tomé não é aramaica, mas sim copta. Por sinal, a palavra copta koi derivada do grego Koinonos, que por sua vez significa “companheiro(a)”ccc no sentido de “amigo(a)” e não de “esposo(a)”.

iii. Ao contrário do que Brown diz, esposa não é a única tradução para a palavra companheira, nem a mais indicada. Extraído de um dicionário interlinear copta inglês, o termo em questão é t.koi 100, que significa the-companion em inglês e literalmente a companheira em português. Nosso argumento ganha mais força quando se constata que há duas referências explicitas ao termo “esposa” no
Evangelho de Filipe ddd, onde o termo utilizado pelo autor copta é noy.ephi101, their-mutuality
em inglês, que em português teria o sentido de seu(sua)-cônjuge. Diante do exposto, parece correto concluir que o autor do Evangelho de Filipe usava koi para companheiro(a)/amigo(a) e erhu para esposa/mulher.

iv. Ainda sobre o termo traduzido por companheira existente no texto sob análise, um glossário102 encontrado na internet explicitamente informa que o feminino da palavra ΚΟΙΝΩΝΟΣ (koinonos) nunca significava esposa nos textos gregos. Como koi é um empréstimo do grego koinonos, infere-se que também em copta o termo koi não deva ser traduzido por esposa, como de fato nenhum tradutor o fazeee.

v. Se voltarmos ao texto sob análise, veremos que a resposta enigmática (falsamente atribuída a Jesus) à suposta pergunta dos discípulos é complementada pelo texto subseqüente. Ali o autor gnóstico informa que todas as pessoas estão na escuridão até atingirem a gnose, quanto então passam a enxergar. Segundo o autor, Maria Madalena era cega por ser mulher. Ela estava na escuridão e não poderia enxergar, a não ser que o beijo de Jesus (real ou figurado) a tornasse homem fff, para que assim ela pudesse contemplar a luz. Interpretado pelo ponto de vista gnóstico, o texto não
faz alusão a nenhum relacionamento matrimonial ggg.

vi. Ainda falando sobre o Evangelho de Filipe, existe nele um outro texto contendo um substantivo diferente para a palavra companheira. É o termo koinwnos (koinwnos). Ele é utilizado na seguinte passagem: “Havia três que sempre caminhavam com o Senhor: sua mãe, Maria, sua irmã e Madalena, que era chamada sua companheira. Sua irmã, sua mãe e sua companheira todas chamavam-se Maria”. A exemplo do em inglês extraído da página http://www.metalog.org/philip.html, dito 59 e 60, acessada pela última vez em 03/10/2006.

Notas
bbb Citação extraída da página http://www.geocities.com/ana_ligia_s/Filipe.html, acessada pela última vez em 30/11/2006. Os textos em parênteses foram completados de modo que o parágrafo se mantivesse semelhante ao texto da pg. 233 de OCDV, uma vez que a tradução de Brown está de acordo com o texto do Evangelho de Filipe


ccc No Novo Testamento há dez ocorrências da palavra grega Koinonos (verbete 2844 no Léxico Grego de Strong). Sempre a tradução é companheiro, co-participante, associado ou cúmplice.


ddd Ocorrência 1“Ninguém (pode) saber quando (o marido) e a esposa têm relações sexuais, a não ser os dois”.
Ocorrência 2“Porém, se vêem um homem com sua esposa juntos, a fêmea não pode se aproximar do homem, nem o macho da mulher”.
Citações extraídas da página http://www.geocities.com/ana_ligia_s/Filipe.html, acessada pela última vez em 30/11/2006.

eee Para o texto sob análise, todas as traduções encontradas para koi utilizam a palavra companheira. Em inglês, os verbetes encontrados foram: companion (companheira, sócia, etc) e mate (companheira, colega, cônjuge. Note que embora o termo mate possa significar cônjuge, não parece ser este o sentido pretendido pelo autor da tradução do copta para o inglês. Se o fosse, provavelmente ele teria preferido os termos wife ou woman, mais específicos). Já o termo ephi sempre é traduzido em português por esposa ou mulher e em inglês por wife (esposa) ou woman (mulher ou esposa). Em suma, a análise mostra que koi significa amiga (companheira) e ephi significa esposa.

fff Raciocínio extraído de outro texto gnóstico, o Evangelho de Tomé: “Eis que a atrairei para fazê-la masculino, para que também se faça um espírito vivo semelhante a vós homens, pois, toda mulher que se transforma em varão entrará no reino dos céus” (dito 114).

ggg Se corretamente interpretados, nenhum texto gnóstico faz alusão a uma relação marital de Jesus. Uma breve exposição sobre esta particularidade foi exposta na refutação histórica e da questão 1 após discorrer sobre uma citação do Evangelho de Maria Madalena


2- Evangelho da mulher de Jesus
A historiadora Karen L. King, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, apresentou ao público em 2012 o manuscrito  conhecido como o “Evangelho da mulher de Jesus”. Após uma longa apuração sobre a procedência do papiro, feita pela revista americana The Atlantic e publicada na edição de julho, Karen admitiu pela primeira vez que o texto, supostamente escrito no século IV contendo a frase “Jesus lhes disse, minha mulher…” pode ser uma sofisticada fraude!

http://veja.abril.com.br/ciencia/evangelho-da-mulher-de-jesus-pode-ser-falso-diz-pesquisadora/ acesso em 28/01/2017:

na íntegra veja aqui a reportagem:
“A balança agora pesa para o lado da falsificação”, disse a historiadora Karen L. King, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, sobre o manuscrito que apresentou ao público em 2012, conhecido como o “Evangelho da mulher de Jesus”. Após uma longa apuração sobre a procedência do papiro, feita pela revista americana The Atlantic e publicada na edição de julho, Karen admitiu pela primeira vez que o texto, supostamente escrito no século IV contendo a frase “Jesus lhes disse, minha mulher…” pode ser uma sofisticada fraude.
Quase um ano de pesquisas feitas pelo repórter Ariel Sabar sobre Walter Fritz, um alemão que vive na Flórida e é ex- proprietário do papiro, revelou indícios de que ele pode ter forjado as inscrições. Fritz frequentou o curso de egiptologia na Universidade de Berlim, tem conhecimento sobre a língua copta, falada no Egito durante o Império Romano e na qual está grafado o manuscrito, trabalhou em um museu alemão e teria capacidade técnica suficiente para fraudar o texto.

“Ele mentiu para mim”, afirmou King, após ler a reportagem.
A história do “Evangelho da mulher de Jesus”, um pedaço de papiro de quatro por oito centímetros, sempre levantou dúvidas e discussões entre os cientistas que estudam o cristianismo primitivo. Karen L. King, conhecida historiadora dessa área, recebeu em 2012 o papiro de Fritz para conduzir uma análise sobre sua autenticidade, com a condição de manter o nome do proprietário em sigilo. Após consultar uma série de especialistas que confirmaram que o papiro era verdadeiro, Karen levou o manuscrito a uma conferência em Roma e divulgou seu conteúdo – que o Vaticano declarou como falso.

Assim que as imagens do manuscrito se tornaram públicas, alguns especialistas apontaram incongruências na caligrafia e apresentação do texto, bem como indícios de que o texto poderia ter sido copiado de outro papiro conhecido como o Evangelho de Tomé, também escrito em copta. Outra parte dos especialistas, porém, avalizou sua autenticidade e testes feitos em 2014, na Universidade Harvard, com carbono 14, no papel e tinta do manuscrito apontaram que a idade do papiro remontaria a por volta do ano 750 enquanto a tinta era muito semelhante à encontrada nos escritos da mesma época – não continha ingredientes modernos e não parecia ter sido forjado.
Apesar de o teste ser um ponto positivo para o manuscrito, ele não eliminava a possibilidade de fraude: alguém persistente o suficiente poderia fabricar a tinta com ingredientes antigos vendidos até pela internet e fabricar a inscrição. O papiro, contudo, insistia em passar nos testes científicos mais modernos.
Pornografia e misticismo – Intrigado com a falta de provas cabais de autenticidade, o repórter da The Atlantic resolveu pesquisar a fundo a procedência do “Evangelho da mulher de Jesus”. Acabou descobrindo uma peculiar história, que lembra o livro “O Código da Vinci”, incluindo seus episódios de pornografia, misticismo e mentiras.
Fritz havia dito a Karen que o manuscrito havia sido comprado do também alemão Hans-Ulrich Laukamp, proprietário de uma fábrica de peças automotivas e interessado em arte antiga. Por e-mail, Fritz também havia enviado à historiadora cópias de cartas de Laukamp, escritas por dois especialistas da Universidade Livre de Berlim afirmando que o manuscrito seria autêntico.
Investigando se Laukamp alguma vez teve em mãos o manuscrito e buscando os originais das cartas, o repórter nada encontrou. Contudo, descobriu que Laukamp e Fritz haviam sido sócios na fábrica e que Fritz era um ex-aluno de egiptologia da Universidade Livre de Berlim. Percebendo indícios de que Fritz jamais havia comprado um manuscrito de Laukamp e tinha conhecimento suficiente para ter forjado as cópias e assinaturas, o repórter decidiu abordar Fritz.
O alemão é casado com uma mulher que escreveu livros de “escrita automática” e que diz transmitir mensagens angelicais. Além disso, o casal manteve, por anos, um site pornográfico que a exibia fazendo sexo grupal. Nas conversas do repórter com Fritz, o entrevistado contou que havia sido abusado por um padre quando jovem e foi enfático ao afirmar que os Evangelhos que consideram Maria Madalena como uma figura importante para o cristianismo (os chamados Evangelhos gnósticos) seriam historicamente mais confiáveis que os da Bíblia. Por fim, convidou o repórter a escrever um livro nos moldes de “O Código da Vinci” no qual Fritz apenas daria as ideias, mas jamais apareceria (“uma armadilha que poderia arruinar minha carreira”, escreve o repórter, comparando a estratégia de Fritz com a que foi utilizada com Karen).
Após a publicação da reportagem com todos os fatos novos sobre a história de Fritz e do manuscrito, a historiadora Karen King afirmou que tende a acreditar que o manuscrito é uma falsificação. “Obviamente, não tinha ideia de quem era esse sujeito”, afirmou Karen ao The Atlantic. “Sua reportagem me ajudou a ver que a proveniência pode ser investigada.” 1 jul 2016, 14h24

Para uma análise mais profunda: 
leia a brilhante obra de Josafá: