Pesquisar e

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

leis da lógica e sofismas- não existe verdade relativa


Resultado de imagem para 2=2=4

PRINCÍPIOS DA RAZÃO (FILOSOFIA-MARILENA CHAUÍ, 2000, editora ática)


Não vem da experiência:
“a razão opera seguindo certos princípios que ELA PRÓPRIA (a razão ) estabelece e que estão em concordância com a própria realidade, mesmo quando empregamos sem conhecê-los explicitamente”... leis fundamentais... nós a respeitamos porque somos seres racionais e porque são principios que garantem que a realidade é racional.” p44
são eles:

1-principio da identidade. É a condição do pensamento, e sem ele não podemos pensar...Ele afirma que uma coisa, seja ela qual for, só pode ser conhecida e pensada se for percebida e conservada com sua identidade ex: triangulo=figura de 3 lados.O princípio da idetnidade é a condição para que definamos as coisas e possamos conhece-las a partir de suas DEFINIÇÕES.


2- principio da não-contradição
“uma coisa ou idéia que nega a si mesma se auto-destroem, desaparecem, deixam de exsitir. Afirma também que as COISAS OU IDÉIAS CONTRADITÓRIAS SÃO IMPENSÁVEIS E IMPOSSÍVEIS”


3- princípio do terceiro excluído
- ou esse homem é Sócrates ou ele não é Sócrates. Este principio define a decisão de um dilema- “ou isto ou aquilo”- e exige que apenas uma das alternativas seja verdadeira”


4- principio da razão suficiente (principio da causalidade)-
 “para indicar que a razão afirma a existência de relações ou conexões internas entre as coisas, entre os fatos, ou entre ações e acontecimentos” P.45



PELO QUE FOI EXPOSTO, PODEMOS OBSERVAR QUE OS PRINCIPIOS DA RAZÃO APRESENTAM ALGUAMS CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES:

1-Não possuem um conteúdo determinado, pois são apenas FORMAS: indicam como as coisas devem ser e como devemos pensar, mas não nos dizem quais coisas são, nem os quais os conteúdos devemos ou vamos pensar

2- POSSUEM VALIDADE Universalisto, é, onde houver razão (nos seres humanos e nas coisas, nos fatos e nos acontecimentos), em todo TEMPO e em TODO LUGAR, TAIS PRINCÍPIOS SÃO VERDAdEIROS, empregados por todos (os humanos) e obedecidos por todos (coisas, fatos acontecimentos).

3- são necessários, isto é, indispensáveis para o pensamento e para a vontade, para as coisas, os fatos e os acontecimentos. Indicam que um fato é assim e não pode ser de outra maneira. Necessário significa: é impossível que não seja dessa maneira e que pudesse ser de outra.” P. 45






  • Verdade é o que corresponde a realidade.
  • VERDADE É A CORRESPONDÊNCIA DAS COISAS AO QUE REALMENTE SÃO.
  • VERDADE´É A EXPRESSÃO, O SÍMBOLO, OU A DECLARAÇÃO QUE CORRESPONDE AO SEU OBJETO OU REFERENTE.

Em resumo:
Para alguma coisa ser verdadeira ela dever ser:

1-Coerente 
2- corresponder à realidade.




Tipos de verdade:
Matemática: 2+2=4
Convencional: o idioma que vc está lendo é o português
Histórica: Vc acessou este blog
Lógica: leis da lógica´: ex: sócrates é homem, e homem é mortal, logo ele é mortal.
__________________________________________________


Falácias:
Falácias
A falácia é um tipo de raciocínio incorreto. embora tenha a aparência de correção. 

Tipos:
 Formais: quando contrariam as regras do raciocínio correto, e não-formais, quando os erros decorrem de "inadvertência ou falta de atenção ao nosso tema, ou então porque somos iludidos por alguma ambigüidade na linguagem usada para formular nosso argumento".

Falácias não-formais

Ad Verecundiam (autoridade) o argumento se apoia na declaração de uma autoridade que faz comentário fora de sua área de especialidade, ou seja, se usa um recurso desviante, em que é setor que não é da competência do especialista. isso é muito comum na propaganda.EX: artistas famosos "vendem" desde sabon até idéias (quando apoiam, por exemplo, candidato às eleições).


A falácia de acidente consiste em considerar essencial algo que não passa de acidente como, por exemplo, concluir que a medicina é inútil devido ao erro de um médico. Ou, outro aspecto, aplicar o que é válido como regra geral em circunstâncias particulares"acidentais" em que a regra se torna inaplicável. É o caso de pessoas excessivamente
moralistas e legalistas, desejosas de aplicar cegamente as normas e as leis, independentemente da análise cuidadosa das circunstâncias específicas dos acontecimentos.



 Petição de princípio, ou círculo vicioso- "Petitio Principii"
 consiste em supor já conhecido o que é objeto da questão. Por exemplo: "Milagres são impossíveis". Neste caso se afirma a inexistência de Deus, sem de fato provar essa alegação.

Ambiguidades e falta de clareza, quando conceitos ou frases não são suficientemente esclarecidos ou são
empregados com sentidos diferentes nas diversas etapas da argumentação. Trata -se de equívoco usarmos uma palavra em dois sentidos diferentes como se fosse o mesmo: "A alma que pecar essa morrerá", "MInha alma o sabe muito bem". Neste caso o sentido da primeira frase é 'pessoa" e no segundo é 'intelecto, mente, emoção,etc'

Argumento contra o homem- "Ad hominem"

"há ainda o argumento da autoridade as avessas, no sentido de ser pejorativo e ofensivo, conhecido como argumento contra o homem . Ele ocorre quando consideramos errada uma conclusão porque parte de alguem por nós depreciado.Ao refutar a verdade atacamos o homem que fez a afirmação.."
(FILOSOFANDO, P.83, EDITORA MODERNA,1995)

Apelo à Ignorância "Ad Ignorantum"

Este é um argumento falacioso que conclui que algo é verdadeiro só porque não pode ser provado como falso, ou vice-versa. "Se não há provas da existência de Deus, logo ele não existe"

Apelo à Pena "Ad Misericordiam"
A aceitação do argumento é justificado pelo uso de termos que procuram conquistar a simpatia ou a ligação emocional das pessoas com o objeto da conclusão, mesmo desconsiderando as evidências do contrário.

Ignorância da questão consiste em se afastar da questão, desviando a discussão para outro lado. Um advogado habilidoso, que não tem como negar o crime do réu, enfatiza que ele é bom filho, bom marido,
trabalhador etc.

Apelo ao Público
Justifica-se o arguemnto por causa da sua popularidade, ou seja, a maioria concorda com o que se está alegando.

"Tu Quoque" (Você Também)

Essa falácia se estabelece quando se usa os erros cometidos por outros  para desconsiderar o argumento apresentado.

Apelo à Tradição "Ad Antiquitatem"

Argumento em que se justifica sua aceitação baseado no fato de que "sempre foi feito assim."

Espantalho 
Reconstrução do argumento oponente de forma diferente, mais fraca e não representativa da intenção original do argumentador. Em outras palavras transforma-se o argumento original em um” espantalho”.

Descida Escorregadia

Nesta falácia assume-se uma pequena movimentação para uma direção particular irá desencadear um processo irreversível e incontrolável de movimentação na mesma direção. Ex: permitir uso de bermuda levará ao uso de lengerie

Envenenamento do Poço

Rejeição de um argumento baseado em uma condição negativa da fonte. "A imortalidade da alma é uma doutrina grega, logo esta doutrina deve ser rejeitada pela igreja"
etc.   
Para outras ver: http://falaciasonline.wikidot.com/apelo-a-natureza

Falácias formais

Entre as regras da conversão de proposições nas chamadas inferências imediatas, so se pode converter simplesmente uma proposição universal quando se trata de uma definição. Caso contrário, trata -se de falácia: "Todos os mamíferos são vertebrados, logo, todos os vertebrados são mamíferos". O certo seria:

"logo, alguns vertebrados são mamíferos".
Agora examinemos os seguintes argumentos:

a) Todos os homens são loiros.

Ora, eu sou homem.
Logo, eu sou loiro.

b) Todos os homens são vertebrados.

Ora, eu sou vertebrado.
Logo, eu sou homem.

Embora a tenha a primeira premissa materialmente falsa (ou seja, o conteúdo dela não corresponde à realidade), trata -se de um raciocínio formalmente correto. Segundo as regras da lógica, colocadas tais premissas, a conclusão se põe necessariamente.


Por outro lado, o raciocínio b, é  formalmente inválido. Não importa se a conclusão corresponde à realidade, mas sim

que não se trata de uma construção logicamente válida. Segundo uma das regras do silogismo, o termo médio deve ser, pelo menos uma vez, total. O t ermo médio (que no caso é "vertebrado") é aquele que aparece nas duas premissas e permite estabelecer a ligação entre os outros dois termos. Essa regra não é atendida no raciocínio
b, pois os homens são alguns dentre os vertebrados, e eu sou um dos verte brados. 

Os exemplos a e b são falácias, sendo o primeiro uma falácia quanto à matéria, embora se trate de argumento

formalmente correto, enquanto o segundo é uma falácia quanto à forma, pois desatende uma regra do argumento válido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário