Pesquisar e

sexta-feira, 11 de julho de 2014

BATISMO NO ESPÍRITO SANTO ou PLENITUDE- O caráter duplo da profecia de Joel



O BATISMO NO ESPÍRITO SANTO OU PLENITUDE?

  • Em geral os pentecostais clássicos usam o primeiro termo, os outros pentecostais ou grupos que aceitam os dons espirituais usam o segundo.
  • o Teólogo calvinista reformado Grudem, se entitula 3ª onda pentecostal. Pois acredita nos dons. Um reformado que acredita nos dons.
  • Todos no entanto concordam que a Plenitude do Espírito na igreja é sempre acompanhada de dons espirituais.
  • O pentecostal clássico acredita que pelo menos o dom de linguas é um dom que acompanha ou evidencia o primeiro enchimento do Espírito Santo. Os outros grupos pregam que podem ser outros.

Vc verá uma defesa do dom de línguas e do uso do termo BATISMO COM ESPIRITO SANTO.


1. INTRODUÇÃO - Dons na história da igreja
O batismo no (ou com) Espirito Santo é um mandamento bíblico Lc 24:49; At 1:1-5, assim como permanecer cheio do Espírito Ef 5:15. A Igreja Apostólica só escolhia pessoas cheias do Espírito para desempenhar até mesmo funções sociais da Igreja At 6:1-3, estas pessoas operavam grandes sinais At 6:8-10; 8:5-8; Gl 3:5 como os apóstolos At 2:43; Rm 15:19.
Alguns incautos, chamados cessacionistas, afirmam que os dons cessaram c/ a morte dos apóstolos, porém não é assim o testemunho da história:




Inácio (em 110 d.C)

Inácio , que é também chamado de Teóforo , à Igreja de Deus o Pai , e do  seu flho amado Jesus Cristo , que obteve por misericórdia  todos os dons , repleta de fé e amor , ea qual   não falta nenhum dom , caríssima a Deus , portadora dos objetos sagrados, que está em Esmirna , na Ásia , as melhores saudações, no Espírito irrepreensível e na Palavra de Deus . (Epístola aos Esmirnenses- Saudação-- Padres Apostólicos, São Paulo: Paulos, 2008, p. 115)

Justino Mártir (100-165 d.C)

".. não blasfemeis Jesus Cristo que, por suas obras e milagres que ainda hoje se realizam em seu nome, plea excelênica de sua doutrina e das profecias..."Diálogo com Trifão 35.8- (Justino de Roma São Paulo: Paulos, 2010,p. 162
"...recebem dons conforme cada um o merece; um recebe o espírito de inteligencia, outro de conselho, outro de fortaleza, outro de cura, de  presciencia, de ensinamento e de temor a Deus"Diálogo com Trifão 39.2- (Justino de Roma São Paulo: Paulos, 2010,p. 167

Entre nós, com efeito, até o presente existem carismas proféticos. De onde, vós memos deveis compreender que os de antes que existiam em vosso povo, passaram para nós." -Diálogo com Trifão 82.1- (Justino de Roma São Paulo: Paulos, 2010 p. 238)


 Assim, entre nós, podem-se ver mulheres e homens que possuem carismas do Espírito de Deus ; De modo que foi profetizado que os poderes enumerados por Isaiah viriam em cima dele, não porque necessitou o poder Diálogo com Trifão 88.1- (Justino de Roma São Paulo: Paulos, 2010 p. 248)


"8. Escreve também que inclusive até seu tempo seguiam brilhando os carismas proféticos na Igreja," (História Eclesiástica, Eusébio de Cesaréia, São Paulo: Novo Século. Livro IV, cap. 18: 8).


Irineu (125-212 d.C)
"Por isso, o apóstolo declara:" Nós falamos sabedoria entre os perfeitos ", [1 Coríntios 2: 6] chamando "perfeitos " estas pessoas que receberam o Espírito de Deus e que,  falam em todas as línguas graças a este Espírito, como ele fazia e como ainda ouvimos muitos irmãos na Igreja, que possuem o carisma  profético,e que pelo Espírito falam em todas as línguas, revelam  as coisas escondidas dos homens, para usa utilidade e expõe os mistérios de Deus. (Contra as Heresias  Livro V 6.1p. São Paulo: Paulus, 1995, 2ª edição, p. 530)

Irineu (125-202) citado por Eusébio de Cesaréia 
1. Irineu, coincidindo com as narrações que discutimos anteriormente nos livros que, em número de cinco, intitulou Refutação e destruição da falsamente chamada gnosis, esboça também estas coisas. No livro segundo da mesma obra assinala que, em algumas igrejas, persistiram inclusive até ele manifestações do maravilhoso poder divino. Ele o diz com estas palavras: 
2. "Muito lhes falta para ressuscitar um morto 346, como fizeram o Senhor e os apóstolos mediante a oração e como se deu na comunidade de irmãos muitas vezes: por causa da necessidade, a igreja toda do lugar estava rogando com jejuns e repetidas súplicas, e o espírito do morto voltou, e o homem recebeu o favor pela graça das orações dos santos." E de novo, depois de outras coisas, diz: 
3. "Mas se chegam a dizer que o Senhor fez tais prodígios apenas em aparência, então os faremos recorrer aos escritos proféticos e por estes lhes demonstraremos que assim está previsto sobre Ele, e que assim sucedeu com segurança e que somente Ele é o Filho de Deus. Por isso, também em seu nome os que são verdadeiramente seus discípulos recebem d'Ele a graça e a utilizaram em benefício dos demais homens, segundo o dom que cada um recebeu d'Ele
4. Uns, efetivamente, expulsam firme e verdadeiramente os demônios, de modo que muitas vezes aqueles mesmos que foram purificados dos maus espíritos crêem e estão na Igreja; outros têm conhecimento antecipado do porvir, assim como visões e declarações proféticas; outros ainda, curam os enfermos mediante a imposição das mãos e os restituem sãos; mais ainda, como dissemos, inclusive mortos foram ressuscitados e permaneceram conosco muitos anos. E para que mais?
5. Não é possível dizer o número de graças que por todo o mundo a Igreja recebeu de Deus em nome de Jesus Cristo crucificado sob Pôncio Pilatos e que cada dia utiliza em benefício dos pagãos, sem nunca enganar ninguém nem despojá-lo de seu dinheiro, porque gratuitamente o recebeu de Deus e gratuitamente o serve." 
6. E em outro lugar escreve o mesmo: "Assim como também ouvimos que há muitos irmãos na Igreja que têm carismas proféticos e que por meio do Espírito falam em todo tipo de línguas, que põe a descoberto os segredos dos homens quando é proveitoso e que explicam os mistérios de Deus." Isto é o que há sobre a permanência dos diferentes carismas até os tempos mencionados entre os que deles eram dignos. 
 (História Eclesiástica, Eusébio de Cesaréia, CPAD,1999 p. 173-174) ou (História Eclesiástica, Eusébio de Cesaréia, São Paulo: Novo Século Livro V, cap. 7:1-6)

Milcíades -combatendo a heresia montanista que condenava toda a  igreja mas não tinha sucessão de pessoas com dons espirituais!
LIVRO VI
XVII [De Milcíades e os tratados que compôs] 
1. Na mesma obra369 menciona-se também Milcíades, um escritor que, parece, também escreveu um tratado contra a dita heresia. Depois de citar algumas passagens destes370 continua dizendo: "Isto encontrei em uma obra das que atacam o escrito de Milcíades, nosso irmão, escrito que demonstra não ser necessário que um profeta fale em êxtase, e fiz um resumo." 
2. Um pouco mais abaixo na mesma obra estabelece uma lista dos que profetizaram no Novo Testamento; entre eles enumera um tal Amias e a Codrato; diz assim: ".. .mas o falso profeta, no êxtase - ao qual seguem o descaramento e a ousadia -, começa em voluntária ignorância e termina em demência involuntária da alma, como se disse anteriormente.
 3. Mas não poderão mostrar um só profeta, nem do Antigo nem do Novo (Testamento) que tenha sido arrebatado pelo espírito desta maneira, nem poderão gloriar-se de Agabo, nem de Judas, nem de Silas, nem das filhas de Felipe, nem de Amias de Filadélfia, nem de Codrato nem de nenhum outro, se há, porque nada tem a ver com eles." 4. E logo, depois de curto espaço, diz o seguinte: "Porque, se é como dizem, que depois de Codrato e de Amias de Filadélfia, o carisma profético passou por sucessão às mulheres do séquito de Montano, que demonstrem quem dentre eles sucedeu aos discípulos de Montano e a suas mulheres, já que o Apóstolo sustenta que é necessário que o carisma profético subsista em toda a Igreja até a parousia final 371. Mas não poderão mostrar ninguém, apesar de já ser este o décimo quarto da morte de Maximila." 5. Isto diz ele. No que tange a Milcíades, por ele mesmo mencionado, também deixou-nos outras lembranças de sua aplicação diligente às divinas Escrituras nos tratados que compôs Contra os gregos e Contra os judeus, temas com os quais se debateu separadamente nos dois livros. E mais, fez também uma Apologia dirigida aos príncipes372 do mundo em favor da filosofia por ele professada373. 369 O anônimo antimontanista, cf. 16:2.
369 O anônimo antimontanista, cf. 16:2. 
370 Dos hereges. 371 Ef 4:11-13; 1 Co 1:4-8; 13:8-10. 
372 Provavelmente refere-se a Marco Aurélio e a seu co-augusto Lúcio Vero.



 Na época de Montano, o herege:
"4. Como foi justamente então que os partidários de Montano, Alcibíades e Teodoto, começaram a dar a conhecer entre muitos na Frígia sua opinião sobre a profecia (pois os muitos outros milagres do carisma de Deus, que até então ainda vinham se realizando pelas diversas igrejas, produziam em muitos a crença de que também aqueles eram profetas)(História Eclesiástica, Eusébio de Cesaréia, São Paulo: Novo Século. Livro V,cap, 6:4)

Na época de Montano, numa obra contra o montanismo:
4. E logo, depois de curto espaço, diz o seguinte: "Porque, se é como dizem, que depois de Codrato e de Amias de Filadélfia, o carisma profético passou por sucessão às mulheres do séquito de Montano, que demonstrem quem dentre eles sucedeu aos discípulos de Montano e a suas mulheres, já que o Apóstolo sustenta que é necessário que o carisma profético subsista em toda a Igreja até a parousia final *371. Mas não pode-rão mostrar ninguém, apesar de já ser este o décimo quarto da morte de Maximila." *371 Ef 4:11-13; 1 Co 1:4-8; 13:8-10.(História Eclesiástica, Eusébio de Cesaréia, São Paulo: Novo Século. Livro V, cap. 17:4

Orígenes ( 185-254 d.C) disse: "...o nome de Jesus expulsa dos homens os extravios de espírito, os demônios e, ainda hoje, as doenças;..." (Orígenes Contra Celso- São Paulo: Paulus. livro 1, 67, p. 113)
"e alguns deles manifestam, nas curas que operam, o sinal de que receberam, graças à sua fé, um poder milagroso, pois invocam sobre os que lhes pede a cura o Deus supremo e o nome de Jesus acrescentando á sua invocação a história dele. Por meio deles, eu mesmo vi pessoas libertas de graves doenças, alucinações, demências e uma infinidade de outros males que nem homens nem demônios tinham conseguido curar" (Orígenes Contra Celso- São Paulo: Pauluslivro 3 ,24, p. 223)
"Esta demonstração divina é chamada pelo apóstolo de demonstração de 'Espírito e poder'...de poder, pelos prodigiosos milagres cuja existência podemos provar por esta razão, entre muitas outras, que ainda subsistem vestígios desta existência, entre aqueles que regram a sua vida pelos preceitos desta palavra" (Orígenes Contra Celso- São Paulo: Paulus,Livro 1, 2, p. 43)
"e do Espírito Santo que então apareceu na forma de uma pomba ainda subsistem sinais entre os cristãos: eles expulsam demônios, curam diversas enfermidades, e sob a noção do Logos, tem certas visões do futuro" (Orígenes Contra Celso- São Paulo: Paulus, Livro1, 46, p. 86)
"Não é estes  o gênero dos demônios que muitos cristãos expulsam dos doentes ...unicamente pela oração, por meio de simples esconjuros e palavras ao alcance do homem mais simples? (Orígenes Contra Celso- São Paulo: Paulus, Livro 7, 4, p.539)

Após os séc. V porém as referências sobre os dons se tornaram mais raras , coincidindo com o processo de paganização da Igreja, formando a conhecida Igreja Católica.

A partir de 1900 uma nova ênfase surgiu quanto à manifestação dos dons carismáticos. Neste ano Agnes Osman [mulher]ao receber a imposição das mãos de Charles Parham começou a falar em outras línguas. Este acontecimento deu origem ao famoso reavivamento da rua Azuza, que começou em 1906 com o pastor negro William Seymour, este movimento foi chamado de Pentecostal. Cerca de 1960 pela influência dos Pentecostais muitas igrejas tradicionais aderiram ao movimento Pentecostal, estas foram chamadas (nos Estados Unidos) de Neo-Pentecostais. O termo neopentecostal no Brasil é usado em outro sentido
O batismo no Espírito Santo marca o início da manifestação dos 9 dons descritos em 1 Co 12:1-11.


2.EXTENÇÃO DA PROMESSA DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO (OU DA OPERAÇÃO DOS DONS)

·        Jesus não colocou limite de tempo quanto à operação dos dons Jo 14:12.
 ¶ Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai.

·        Paulo disse que os dons só cessarão após a volta de Cristo 1 Co 1:7;  13:8-12.
1 Co 1:7  De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo,

8 ¶ O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará;
9  porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizamos.
10  Quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado.
11  Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino.
12  Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido.

·        A profecia de Joel 2 tem caráter duplo:  Selo da salvação e Dons sobrenaturais

1- Jesus em At 1:4-5 identifica a promessa de Joel 2 (ver At 2:33) com o termo “batismo no Espírito Santo”,  que é um revestimento de poder com manifestações de dons (Lc 24:49; At 1:8, 2:17-18).  
At 1:4  E, comendo com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, a qual, disse ele, de mim ouvistes.
5  Porque João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.
8  mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.

Lc 24:49  Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder.

At 2:16  Mas o que ocorre é o que foi dito por intermédio do profeta Joel:
17  E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos jovens terão visões, e sonharão vossos velhos;
18  até sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e profetizarão.
33  Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis.

2- A profecia de Joel inclui a promessa da doação ou derramamento universal do Espírito Santo (At 2:33) como selo de salvação At 2:21; 2:38; Ef 1:13 (veja que esta última referência diz: “fostes selados com o Espírito Santo da promessa” assim como Gl 3:14. 
At2:21  E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.
38  Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo.
Ef 1:13 em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa;


Portanto a promessa da profecia de Joel (que é de caráter duplo é para todos que se converterem At 2:15-18,39. ou seja, é para toda “carne”, isto é, não é só para os judeus, mas para qualquer pessoa, sem distinção racial, social, etc,

Objeções:

1-                 1 Co 13:8-12 se refere ao fechamento do Cânon sagrado do Novo Testamento (27 livros)
2-                 A ausência de testemunho histórico evidencia a restrição de operação dos dons à era apostólica

Refutação
1-                 O contexto de 1 Co 13:8-12 se refere claramente à ocasião em que veremos o Senhor face a face, que é a sua volta.
2-                 Em 1º lugar apenas a citação de Irineu citada na introdução derruba tal tese. Em 2º lugar, a história mostra que a partir do final do séc. XIX ocasião em que se voltou a enfatizar e buscar os dons do Espírito Santo relacionados em 1 Co 12:1-10 eles voltaram a ser abundante, o que nos mostra duas coisas: 1ª Eles geralmente são posteriores à conversão, caso contrário seriam abundantes no decorrer da história 2ª-Geralmente se manifestam após busca específica.


3.FALSOS CONCEITOS SOBRE O BATISMO NO ESPÍRITO SANTO

Os protestantes históricos e alguns pentecostais (ou carismáticos) afirmam que a regeneração, ou batismo em Cristo é o mesmo que batismo com o Espírito Santo, isto é que ele se refere à conversão. Pois:
1-                 Os discípulos só receberam o Espírito Santo no dia de Pentecostes, pois o Espírito só seria dado após a ida de Jesus ao Pai e sua glorificação Jo 7:39; 16:7.
2-                 1 Co 12:13 afirma que todos são batizados no Espírito Santo porque a preposição “en”, utilizada neste versículo, implica a tradução “pelo ou por” que seria a tradução da preposição “ hyper” utilizada para alguém que administra o rito do batismo  Mt 3:6,13,14; Mc 1:5,9. A construção gramatical deste versículo é semelhante ao descritos no livro de Atos que descrevem Jesus como o que batiza no Espírito Santo, sendo portanto um termo técnico Mt 3:11; Mc 1:8; Lc 3:16; Jo 1:33; At 1:5; 11:16, referente a experiências pós conversão
Refutação

·        Jesus subiu ao Pai logo após sua ressurreição, pois disse que se não fosse até o Pai, o Consolador não viria e que quando voltasse o coração deles se alegrariam, compare Jo 16:7,16-22 c/ 20:19-22; compare também Jo 20:17 (ocasião em que na aparição de Cristo, Maria Madalena o segura Mc 16:9)  c/ Mt 28:8-9 (veja que 3 mulheres foram  no sepulcro-Maria Madalena, Maria mãe de Tiago e Salomé Mc 16:1; nesta ocasião posterior Maria Madalena encontra com as outras mulheres e Jesus as encontra , aí então como já havia subido ao Pai elas o adoram livremente. Sua ascensão definitiva foi após 40 dias de sua ressurreição (e subida ao Pai) At 1:1-9.


Jo7:39 Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito até aquele momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado.
7      Jo 16:7 Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei.
oobserve:

1Jo 16:16 ¶ Um pouco, e não mais me vereis; outra vez um pouco, e ver-me-eis.Vou para o Pai.
117  Então, alguns dos seus discípulos disseram uns aos outros: Que vem a ser isto que nos diz: Um pouco, e não mais me vereis, e outra vez um pouco, e ver-me-eis; e: Vou para o Pai?
118  Diziam, pois: Que vem a ser esse— um pouco? Não compreendemos o que quer dizer.
119  Percebendo Jesus que desejavam interrogá-lo, perguntou-lhes: Indagais entre vós a respeito disto que vos disse: Um pouco, e não me vereis, e outra vez um pouco, e ver-me-eis?
220  Em verdade, em verdade eu vos digo que chorareis e vos lamentareis, e o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se converterá em alegria.
221  A mulher, quando está para dar à luz, tem tristeza, porque a sua hora é chegada; mas, depois de nascido o menino, já não se lembra da aflição, pelo prazer que tem de ter nascido ao mundo um homem.
222  Assim também agora vós tendes tristeza; mas outra vez vos verei; o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar.

1Jo 20:17  Recomendou-lhe Jesus: Não me detenhas; porque ainda não subi para meu Pai, mas vai ter com os meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus.
118  Então, saiu Maria Madalena anunciando aos discípulos: Vi o Senhor! E contava que ele lhe dissera estas coisas.
119 ¶ Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!
220  E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado. Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o Senhor.
221  Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio.
222  E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.

·        Em relação a glorificação de Cristo, a Bíblia em 1 Co 15 nos mostra que Cristo é a primícia dos que dormem, e assim como foi com ele , assim será com os que morrerem salvos, na ocasião da ressurreição serão glorificados 1 Co 15:20-54 (ver especialmente verso 43). |Portanto Cristo foi glorificado já na sua ressurreição.
1 Co 15:42 Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória.
43 Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder.

·        Os discípulos (não estava somente os apóstolos, mas também outros discípulos Lc 24:33) receberam o Espírito em Jo 20:22 ( a construção verbal dá a idéia de algo ocorrido de uma vez para sempre e não uma coisa futura- Ver comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal) e só depois receberam a promessa do batismo no Espirito por Jesus Lc 24:49-52; At 1:1-5. Portanto o batismo no Espírito Santo segundo descrito em Atos 1:1-5 ocorre após o novo nascimento.
Lc 24:33 E, na mesma hora, levantando-se, voltaram para Jerusalém, onde acharam reunidos os onze e outros com eles,
2Jo 20:17  Recomendou-lhe Jesus: Não me detenhas; porque ainda não subi para meu Pai, mas vai ter com os meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus.
118  Então, saiu Maria Madalena anunciando aos discípulos: Vi o Senhor! E contava que ele lhe dissera estas coisas.
119 ¶ Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!
220  E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado. Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o Senhor.
221  Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio.
222  E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.
·        A Bíblia ensina que a pessoa recebe o Espírito quando crê (Novo Nascimento, Regeneração ou Batismo em Cristo) Ef 1:13-14; 2 Co 1:22; Rm 8:15 pois ele é o penhor da salvação (garantia). O Batismo com o Espírito Santo ocorre após o Novo Nascimento At 19:1-6; 9:1-18; 8:12-17 ou imediatamente após At 10:44-46 c/ 11:15-16 (de qualquer forma posterior a salvação, pois os dons do Espírito na nova aliança são dados somente para pessoas que nasceram de novo.. Como foi explicado acima a condição para que as pessoas recebessem o Espírito Santo seriam 3: glorificação de Cristo, subida ao Pai e a conversão.
At 19:1 ¶ Aconteceu que, estando Apolo em Corinto, Paulo, tendo passado pelas regiões mais altas, chegou a Éfeso e, achando ali alguns discípulos,
2 perguntou-lhes: Recebestes, porventura, o Espírito Santo quando crestes? Ao que lhe responderam: Pelo contrário, nem mesmo ouvimos que existe o Espírito Santo.
3 Então, Paulo perguntou: Em que, pois, fostes batizados? Responderam: No batismo de João.
4 Disse-lhes Paulo: João realizou batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse naquele que vinha depois dele, a saber, em Jesus.
5 Eles, tendo ouvido isto, foram batizados em o nome do Senhor Jesus.
6 E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e tanto falavam em línguas como profetizavam.

At 8:12 Quando, porém, deram crédito a Filipe, que os evangelizava a respeito do reino de Deus e do nome de Jesus Cristo, iam sendo batizados, assim homens como mulheres.
13 O próprio Simão abraçou a fé; e, tendo sido batizado, acompanhava a Filipe de perto, observando extasiado os sinais e grandes milagres praticados.
14 ¶ Ouvindo os apóstolos, que estavam em Jerusalém, que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram-lhe Pedro e João;
15 os quais, descendo para lá, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo;
16 porquanto não havia ainda descido sobre nenhum deles, mas somente haviam sido batizados em o nome do Senhor Jesus.
17 Então, lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo.


At 10:44 ¶ Ainda Pedro falava estas coisas quando caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra.
45  E os fiéis que eram da circuncisão, que vieram com Pedro, admiraram-se, porque também sobre os gentios foi derramado o dom do Espírito Santo;
46  pois os ouviam falando em línguas e engrandecendo a Deus. Então, perguntou Pedro:
47  Porventura, pode alguém recusar a água, para que não sejam batizados estes que, assim como nós, receberam o Espírito Santo?
 At 11:15  Quando, porém, comecei a falar, caiu o Espírito Santo sobre eles, como também sobre nós, no princípio.
16  Então, me lembrei da palavra do Senhor, quando disse: João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo.



·      Como afirma o Dicionário Internacional do Novo Testamento no seu estudo das preposições gregas p.1748-1791, o tipo de grego usado no Novo testamento (coiné) e o  grego clássico ( este ao longo do tempo) não faziam distinção rígida dos uso das preposições (especialmente o coiné), portanto ao traduzir um texto deve-se levar em conta também o contexto, variação estilística, dentre outros. Isso acontece principalmente com a preposição em questão en  que apresenta uma versatilidade muito grande invadindo o significado de outras preposições. E é por seguinte a preposição mais utilizada no Novo Testamento. Portanto fazer doutrinas baseadas no uso rígido de preposições é um grande erro.  Ver também o livro “A exegese e suas falácias” - ed. Vida Nova.
·        Muitos usam o trecho de 1Co 12:13 da versão ARC, ACR e AC que diz que “todos nós fomos batizados em um só Espirito, formando um corpo”, para afirmar que ao aceitar Jesus a pessoa já se torna automaticamente batizada no Espírito Santo, isto é, o novo nascimento é sinônimo de batismo no Espírito Santo. 
Porém outras versões da Bíblia  ARA, Alfalit traduzem o texto enfatizando o batismo no corpo, por meio da habitação do Espírito; até mesmo a NVI e a Bíblia de Estudo Pentecostal (que usa a versão ARC) traz uma nota de rodapé  mostrando que pode-se traduzir “por”, enfatizando a ação do Espírito para batizar as pessoas no corpo.
 Esta mesma palavra grega en aparece em Lc 2:27; 4:1; Mc 1:12; Mt 12:24,28 e é traduzida por “pelo”, denotando o que os estudiosos chamam de en  instrumental . Apesar disso outras passagens que aparece a mesma partícula grega a tradução aceita significa “em” Mt 3:11; Mc 1:8; Lc 3:16; Jo 1:3; assim as 2 traduções são possíveis, porém neste caso o uso instrumental deve ser o mais aceito por várias razões:

a)      Essa idéia é reforçada pelo contexto que mostra o Espírito como agente ativo 1Co 12:7-13 (e não passivo, como exige a outra tradução). Isso é favorecido pelo fato de 1 Co 12:9 “pelo mesmo Espírito” (en to heni pneutmati“ ser “ indubitavelmente instrumental no seu sentido, à luz da expressão anterior ‘dia tou pneumatos’(1 Co12:8; cf. v. 7, 8b,, 11) [‘pelo Espírito’]  (Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento- p.1788, ed. Vida Nova)- Ver também o livro “A exegese e suas falácias” p.44- Ed. Vida Nova.

b)      N. Grudem afirma que a construção deste versículo (1Co 12:13) se assemelha ao de 1 Co 10:2 “ em Moisés, todos eles foram batizados na nuvem e no mar”, e que um era o elemento em que foram batizados (Moisés- Espírito Santo), e o outro o lugar onde foram batizados (nuvem e mar- corpo de Cristo) favorecendo a argumentação tradicional. Todavia sabemos que o povo em Moisés (através de Moisés) foi batizado na nuvem e no mar, assim Moisés foi o meio através do qual se processou o batismo (e não o elemento em que foram batizados); assim da mesma forma vemos que as pessoas por meio do Espírito Santo recebido quando se crê, são batizadas no corpo de Cristo (se tornam membros do corpo de Cristo). Conclui-se assim que, 1 Co 12:13 não afirma que todas a s pessoas são batizadas no Espírito Santo, e sim que a habitação do Espírito Santo nos torna salvos e portanto membros do corpo Rm 8:9; 1 Jo 4:13.
c)      A expressão “ a todos nós foi dado de beber de um só Espírito” de 1 Co 12:13 à luz de Jo 7:37-39 retrata explicitamente o recebimento ou doação do Espírito.
d)      O erro desta interpretação além de residir numa falácia no uso rígido da preposição, faz com que a expressão, então traduzida como batismo no Espírito Santo, seja um termo técnico para se referir a uma experiência que acontece na conversão (falácia semelhante a de grupos pentecostais (minoria absoluta) que querem fazer deste versículo um termo técnico do novo testamento para se referir às experiências pós-conversão) o que também constitui um erro. Isso é discutido no livro “ A exegese e suas falácias, p. 44, ed. Vida Nova” )



44-     TERMOS UTILIZADOS PARA SE REFERIR AO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO

·        Batismo no Espírito Santo-  A Bíblia promete o cumprimento da promessa do batismo no Espírito experiência de “receber o poder”, ser “revestido de poder”, ser “cheio do Espírito” Lc 24:49-52 c/ At 1:4-8. O começo do cumprimento da promessa ocorreu em At 2 e é descrito como “cheios do Espírito” v. 4, “falar em novas línguas” v. 4. Pedro descreve estes fatos, como sendo o cumprimento da promessa v.16-18,33 . Comparando At 10:44-46 c/ 11:15-16, vê-se que os sinais apresentados foram descritos como evidência do batismo no Espírito Santo, ocasião em que o termo é repetido.
·        “promessa”- Lc 24:49; At 1:4-5; 2:39; 11:15-16 c/ 10:44-46. (COMO FOI FALADO ACIMA A PROMESSA DE JOEL TEM CARÁTER DUPLO – ver acima a questão 2

Obs: Alguns, inclusive eu, no passado, ensinam que o termo “receber o Espírito” no livro de Atos somente, se refere ao batismo no Espírito Santo. Isto é um erro, pois o falar em línguas servia como sinal factual de que as pessoas já tinham recebido o Espírito Santo ver At 10:44-47 e compare com At 11:15-16. É claro pois que, como foi exposto acima, o falar em línguas vem depois do ter de fato o Espírito. Assim nem todo que é salvo (isto é, tem o Espírito Rm 8:9) fala em línguas , mas se alguém fala em línguas (pelo Espírito) esse com clareza tem o Espírito.




.    5-  DEFINIÇÃO DO BATISMO NO ESPIRITO SANTO

·        É uma experiência posterior à regeneração (recebimento do Espírito para habitação), podendo ser também imediatamente após. Ver 3.
·        Ocorre quando a pessoa é cheia pela primeira vez do Espírito (após a Nova aliança), revestida do poder, isto é, quando ela é imersa no poder do Espírito At 1:8; 2:4, nesta ocasião ocorre a iniciação aos dons do Espírito Santo descritas em ! Co 12:1-11. Isso se refere ao período do derramamento universal do Espírito Santo descrito em At 1:4-5; 2:16-18, que se iniciou no dia de Pentecostes. Assim os casos de pessoas  anteriores a este período não são levados em conta, como é o caso de João Batista, Isabel, Zacarias  Lc 1:15; 41-45; 67-69.
  
      Em suma, o Batismo é a maneira pela qual Deus libera seu poder para realizar algo sobrenatural por meio de nós, ou seja, Deus libera seu poder por meio de dons espirituais.



66-    EVIDÊNCIA DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO
Vejamos os relatos:

·        No dia de Pentecostes- judeus At 2:4: línguas. Ocorreu após a conversão, eles de fato receberam o Espírito em Jo 20:22 (ver  3.), antes do Pentecostes.
·        Na casa de Cornélio –gentio “temente a Deus” (termo que se relacionava a gentios que seguiam o judaísmo porém não eram circuncidados  At 10:44-46 c/ 11:15-16 : línguas. Ocorreu imediatamente após a conversão, pois os dons são doados somente para pessoas convertidas.
·        Em Éfeso- gentios At 19:1-6- línguas, profecia. Ocorreu após o batismo nas águas, portanto depois da conversão.
·        Paulo At 9:17-18 c/ 1 Co 14:8- línguas. Ocorreu após a conversão e antes do batismo At 9:1-18.
·        Samaria- At 8:1-18: Ocorreu após a conversão e batismo. Algo perceptível aconteceu, porém não relatado no texto. Seria as línguas? Até mesmo antipentecostais admitem a hipótese, pois dizem que eram um padrão visível de que Deus aceitara todos os grupos de pessoas (judeus, tementes a Deus,(que eram gentios), samaritanos e gentios) naquela época. Onde está escrito que isso não acontece mais?
No Concílio de Jerusalém At 11:1-18, a prova de que os gentios tinham sido aceitos por Deus foi o falar em outras línguas, como ocorreu no princípio, isto é, no dia de pentecostes At 11:15-18 c/ 10:45-47 e 2:1-4. A evidência comum nos relatos acima foi o falar em outras línguas. O dom de línguas é o único dom que pode ser usado pelo cristão na hora que ele desejar, pois visa principalmente a edificação pessoal 1Co 14:2,4; Ef 6:8; Jd 20; portanto é um instrumento útil para se buscar outros dons.
Algumas décadas depois o mesmo padrão se repete, a lingua era o dom mais comum . Leia 1 Co 12 e 14. Até o cessacionista  R. C. Sproul disse: “ É clara pelos textos do livro de Atos, que o dom do falar em línguas realmente funcionava como um sinal externo do enchimento do Espírito p.129. 

Objeções:
1)      Nos exemplos anteriores, mais o relato da conversão dos samaritanos em Atos 8:4-25, em que os os discípulos são cheios do Espírito Santo após a conversão, com  a evidência inicial comum do falar em línguas (explícita, exceto em Atos 8) é explicada através do argumento que Deus queria mostrar para os Judeus que Gentios, Samaritanos e os “tementes a Deus” todos eles foram aceitos por Deus, e assim a uniformidade deste padrão se repetiu. Porém isso não deve ser tomado por padrão para os dias atuais visto “que estavam vivendo numa época de transição da obra do Espírito entre a antiga aliança e a nova aliança” (Dr. Wayne Grudem). Portanto somente 1Co 12:12 pode definir o significado do termo “batismo no Espírito Santo” utilizado no livro de Atos..
2)      R. C. Sproul no seu livro “O ministério do Espírito Santo” destaca que o objetivo de Lucas no livro de Atos era destacar a universalidade do evangelho e destacar que o que há de comum nesses eventos é que o “Espírito Santo batiza todo povo de Deus. Que houve uma demora em Atos, entre a conversão e o batismo, não estabelece esse aspecto como uma norma. Havia claras razões histórico-distintivas para que ocorressem esses “Pentecostes” distintivos. Eles demonstraram claramente a igualdade de todos os quatro grupos na igreja. Nada existe no texto indicando que esse intervalo entre as duas ocorrências- a conversão e o batismo no Espírito- seja comum.”  P.128
3)      O mesmo autor argumenta: “Se o falar em línguas é a evidência externa do batismo no Espírito Santo, e o batismo no Espírito Santo é uma obra subseqüente, crucial e normativa na vida dos crentes, então por que a vasta maioria dos crentes, durante a história da igreja não atingiram essa dimensão vital da vida cristã?Foi o pentecostes original um colossal ‘ fracasso’  quanto à vida dos crentes, durante a história cristã, até os dias presentes? (Se o propósito do pentecostes era derramar um dom contínuo de línguas, então a descontinuidade histórica indica que esse objetivo não foi alcançado).
4)      Um outra objeção levantada pelo mesmo autor era que o Espírito Santo vinha de uma forma inclusiva e incondicional.
5) A bíblia diz que nem todos falam em linguas 

1Co 12: 28  A uns estabeleceu Deus na igreja, primeiramente, apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois, operadores de milagres; depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.
29  Porventura, são todos apóstolos? Ou, todos profetas? São todos mestres? Ou, operadores de milagres?
30  Têm todos dons de curar? Falam todos em outras línguas? {em outras línguas; no original, em línguas} Interpretam-nas todos?


Refutação

      1- Como ficou evidente na discussão do ponto 3 (Falso conceito sobre o significado do batismo no Espírito Santo), o texto de 1 Co 12:13 não retrata às experiências do livro de Atos, por se referir a inserção dos cristãos no corpo de Cristo por meio do Espírito Santo na ocasião da conversão. Assim,  o significado do termo deve ser investigado nos relatos de Atos e dos Evangelhos. A afirmação de que aquela era uma época de transição não é verdadeira, pois aquele dia de Pentecostes se deu após a realização da Nova Aliança. Se o livro de Atos não pode ser utilizado para definir o significado deste termo para que devemos apelar?
      2-Como afirma o anti-pentecostal R. C. Sproul É clara pelos textos do livro de Atos, que o dom do falar em línguas realmente funcionava como um sinal externo do enchimento do Espírito p.129. Essa conclusão claramente pode ser tirada do texto, agora fazer inferências de que aquilo não pode ser tomado como norma se esbarra em vários fatos:
·        Não há menção alguma que tais acontecimentos não deveriam se repetir.
·        O texto sagrado diz que quando Pedro explicou o que era o fenômeno das línguas, disse que aquilo era o cumprimento da promessa de Deus por intermédio de Joel e que essa promessa se repetiria com todos quantos Deus chamasse At 2:15-18, 39, isso se repetiu por todo livro de Atos.
·        A AFIRMAÇÃO DE QUE O FALAR EM LÍNGUAS ERA SOMENTE PARA MOSTRAR QUE DEUS ACEITOU OS CHAMADOS  4 GRUPOS É FALSA, POR QUE: 1- os chamados “tementes a Deus” eram gentios, e não eram aceitos pelo judaísmo. Assim, então eram 3 grupos e não 4.  2- o grupo de Efeso segundo estes comentaristas eram gentios, e isso mostra que Deus estaria repetindo o padrão, o que fortalece a tese PENTECOSTAL (aqui defendida)
·        Tal fenômeno se repete desde o início do movimento pentecostal, por justamente pregar que aquele era um padrão universal da evidência do batismo no Espírito, mas não só para aquele tempo, mas para todos os tempos.
·        Esse padrão não foi criado por Lucas durante a redação do livro de Atos apenas para deixar claro que os gentios tinham sido aceitos por Deus, Lucas apenas registrou o padrão estabelecido pelo Espírito Santo. Quanto a afirmação de que o intervalo entre a conversão e o recebimento do batismo no Espírito Santo não era comum, primeiramente os pentecostais afirmam somente que esta experiência é  posterior à salvação podendo ou não ocorrer cronologicamente um espaço de tempo entre a conversão e o batismo no Espírito Santo, no caso dos judeus, dos samaritanos, dos gentios isso foi cronologicamente posterior, mas não no caso dos “tementes a Deus” que foi imediatamente posterior,  pois Paulo ensinou que os 9 dons são distribuídos para o corpo de Cristo e para ser membro do corpo é preciso que a pessoa seja convertida.
3-     Há equívocos na afirmação do escritor:
·        O batismo no Espírito Santo não é crucial na vida do crente no que diz respeito ao fruto do Espírito e à sua salvação.
·        É normativo no mesmo sentido que a Bíblia ordena que o crente seja continuamente cheio do Espírito Ef 5:18, porém não significa que uma pessoa que não seja cheio do Espírito não seja salva. Isso é um alvo a ser alcançado, que porém pode ou não ser atingido, só depende da pessoa visto ser uma ordem do Senhor.
·        Não é uma dimensão vital no sentido absoluto, mas só no que diz respeito à manifestação dos 9 dons do Espírito.
·        O falar em línguas, curas e outras manifestações são somente para os que crêem Mc 16:17, isto é um fato pois até certo tempo a  maioria dos estudiosos da bíblia era cessacionista, e esses sinais não ocorrem na vida destes, atribuem tais manifestações aos demônios. Pelo contrário o argumento histórico reforça a tese de que os dons se manifestam quando se crê na atualidade deles. Isto pode ser visto através da revolução causada pela doutrina pentecostal, onde a vasta maioria dos membros destas igrejas apresentam pelo menos o dom de línguas.
·        O propósito do pentecostes não é simplesmente trazer o dom de línguas. Ver abaixo.
·        A afirmação de que muitos homens santos de Deus como Agostinho, Tomás de Aquino, Anselmo, Lutero Calvino e outros não exibiram qualquer falar em línguas é um sofisma, pois: A- Santidade não implica em dons e vice versa, 1Co 1:7; 3:1. B- A história destes homens não mostra que eram tão santos assim, alguns perseguirão irmãos na fé e chegaram até mesmo a executar e queimar matar seus oponentes em nome da fé (Lutero e Calvino).  C- A sinceridade na espiritualidade não implica necessariamente na crença correta e conseqüentemente prática correta, como é o caso de Agostinho com suas doutrinas errôneas. D- Se tais homens falaram ou não em línguas tal aspecto é controverso, mas a argumentação pentecostal não depende desta conclusão.
4) A afirmação de que o Espírito Santo vinha de forma incondicional não reflete a experiência dos samaritanos, dos gentios de Éfeso, do apóstolo Paulo e dos cerca de 120 pessoas no pentecostes. Pois em todos eles houve uma ação humana. Poderia refletir o caso dos “tementes a Deus”  (Cornélio), porque o texto não afirma que eles buscavam ou tinham conhecimento do batismo no Espírito ou sobre eles foi imposto as mãos; ao contrário dos outros grupos onde ouve imposição das mãos específica para recebimento da plenitude do Espírito (samaritanos, gentios e Paulo) ou simplesmente ensino e expectativa (judeus de pentecostes). Isso demonstra apenas uma exceção e não uma doutrina como quer o escritor. Isso ocorre esporadicamente nos círculos pentecostais onde algumas pessoas ao aceitar a Cristo já começam a falar em novas línguas.

5) 1 Co 12:30 não contradiz a tese que a língua é sinal da plenitude inicial do Espirito Santo

  • Tanto em Atos como em Coríntios a língua era o dom mais comum
  • Paulo ensinou que gostaria que todos falassem em linguas, interpretassem e profetizassem. Mas mesmo assim escreveu que nem todos tem dom de interpretação, linguas e profecia


1 Co 14:5  Eu quisera que vós todos falásseis em outras línguas; muito mais, porém, que profetizásseis; pois quem profetiza é superior ao que fala em outras línguas, salvo se as interpretar, para que a igreja receba edificação.
12  Assim, também vós, visto que desejais dons espirituais, procurai progredir, para a edificação da igreja.

13  Pelo que, o que fala em outra língua deve orar para que a possa interpretar.
9  Portanto, meus irmãos, procurai com zelo o dom de profetizar e não proibais o falar em outras línguas.



  • As pessoas não interpretam não é porque Deus não quer dar interpretação
30  Têm todos dons de curar? Falam todos em outras línguas? {em outras línguas; no original, em línguas} Interpretam-nas todos?
13  Pelo que, o que fala em outra língua deve orar para que a possa interpretar.

Conclusão: Tanto a Bíblia quanto a hitória mostram que o dom comum era o de linguas
           
7-  PROPÓSITO DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO

7.1- Unção para o serviço -Jesus só começou seu ministério após descer sobre Ele o Espírito Santo Lc 3:22; 4:1,14,18-19; At 10:38. Palavras como “cair, descer, do alto, ser cheio, revestir, derramar” descrevem a unção para o serviço tanto no N.T Lc 24:49; At 1:8; 10:44-45; 2:4,17,18; etc. como no A.T Nm 11:17,25-26; 24:2; Dt 34:9 c/ Nm 27:18(observe que Josué já tinha o Espírito); Jz 3:10; 6:34; 11:29; Is 11:1-5; 61:1; Ex 31:3; 1 Sm 10:1,6-10; Lc 1:15,67; Mq 3:8. A Igreja da era Apostólica testemunhava com poder e não só com Palavras como fazem os pentecostais hoje 1Ts 1:5; At 4:33; 8:6; 1Co 2:4; Rm 15:19; Gl 3:5, etc.

7.2- Edificação Pessoal-  Embora seja possível ter o fruto do Espírito Gl 5:22; 1Co 13 sem manifestar algum dos nove dons, aqueles que são batizados no Espírito Santo possuem um maior potencial de intimidade com o Espírito Santo, visto possuírem o dom de línguas 1 Co 14:2,14-17 e daí ter uma vida acompanhada de sinais.

7.3- Edificação Coletiva-  O batismo no Espírito Santo envolve o crente nos dons manifestacionais visando a edificação coletiva 1Co 12:1-11.



8.    REQUISISTOS PARA RECEBER O BATISMO NO ESPÍRITO SANTO
8.1- Fé- Mc 16:17; Jo 14:12. No dia de Pentecostes antes do grupo de quase 120 pessoas serem cheios do Espírito Santo e começar a falar em outras línguas, foi visto línguas como que de fogo, e ouvido um som como de que um vento forte (símbolos do Espírito); estes sinais serviram de aviso de que não precisava esperar mais Lc 24:49, aí então aquele grupo liberou sua fé na Palavra de Jesus At 1:5,8; e então começaram a falar em outras línguas conforme o Espírito lhes concedia que falassem ( observe que quem fala é a pessoa, porém com a unção do Espírito; daí a razão por muitos não falarem em outras línguas).
8.2- Novo Nascimento- A pessoa independente de seu tempo e maturidade cristã pode receber o batismo no Espírito Santo At 10:44-47, basta se arrepender e crer em Jesus At 2:38; 5:32.


9.    MEIOS DE RECEBER O BATISMO NO ESPIRITO SANTO
9.1 Oração individual- Lc 11:13. O grupo de cerca de 120 pessoas aguardaram o sinal da vinda do Espírito em oração At 1:14, todos foram batizados no Espirito At 2:1-4.
9.2 Imposição de mãos- At 8:15-17; 9:17; 19:6.
9.3 Mover do Espírito Santo- At 10:44.  Em algumas ocasiões especiais vê-se pessoas que no momento em que aceitam a Jesus já falam em novas línguas.

10.    PERMANECENDO CHEIO DO ESPÍRITO
Após o enchimento inicial advindo do batismo no Espírito Santo,  devemos através de oração, jejum e louvor permanecer cheios do Espírito At 4:31; Jd 20; Ef 6:8; Lc 4:1-2; Ef 5:18-19.


11.    OBSERVAÇÕES
·        É possível a pessoa possuir os dons sem ter o fruto do Espírito desenvolvido 1 Co 1:7,10-11; 3:1-3; 5:1-13; 6:1-20; etc. O desenvolvimento do fruto vem através da obra do Espírito, e esta depende de cada pessoa regenerada, porém o batismo no Espírito Santo pode ser outorgado em qualquer momento da experiência cristã visto sua finalidade. Há ainda aqueles que mesmo sendo batizados no Espírito Santo vivem como os crentes não batizados, pois não entendem o propósito do batismo, acham que este serve apenas para falar em outras línguas quando “sentem”.
·        Nem todos os que falam em outras línguas, ou exprimem algum dom sobrenatural são batizados no Espírito Santo, pois existem atuações demoníacas 1Co 12:3; Ap 13:12-14. Ninguém que cultua ídolos, ou mortos tem o Espírito Santo 1Co 10:20-21; 12:2; etc.
·        Muitos confundem Reações Individuais (choro, alegria, cair, etc) com a evidência do batismo no Espírito Santo, porém a evidência inicial do Batismo está descrita na Bíblia, todas estas reações podem acontecer sem a pessoa ser batizada no Espírito Santo.

12.    CRISTIANISMO DE 2 CATEGORIAS?

Grudem e outros autores afirmam que os pentecostais ensinam um cristianismo de duas categorias porque freqüentemente perguntam se alguém foi batizado no Espírito Santo ou não, e isso leva inevitavelmente ao ciúme, divisão e ao orgulho.
Refutação:
·         Se a doutrina pentecostal for bem explicada isso não necessariamente ocorrerá, pois esta não ensina a superioridade do batizado no Espírito, pelo contrário. Como acontecia em Corinto, muitos tem um comportamento indesejável, muitas vezes pior do que os que não são batizados (ver as OBSERVAÇÕES) pois não fazem uso do dom de línguas para a oração privada como ensina a bíblia, pelo contrário quando utilizam as línguas fazem de maneira inapropriada, geralmente no culto e de maneira a chamar a atenção para si, acham que podem falar em línguas só quando “sentem” a presença de Deus.
·        A pergunta a princípio é baseada nos relatos bíblicos que anteriormente foram citados, principalmente em At 19:1-4 e isso não causou  orgulho espiritual.
·  uma pergunta boa seria perguntar a quem perguntou sobre as línguas: Você interpreta?  


Para maiores detalhes sobre dons espirituais veja: http://averacidadedafecrista.blogspot.com.br/search/label/9%20dons%20do%20Esp%C3%ADrito%20Santo

Nenhum comentário:

Postar um comentário