Pesquisar e

sábado, 7 de setembro de 2013

Jesus o Deus sol refutado parte 3

http://www.youtube.com/watch?v=aWoC87Ga2N0


  • Alegação de empréstimo ao paganismo:


"Justino Mártir, um dos primeiros historiadores e defensores cristãos, escreveu: "Quando nos dizem que ele, Jesus Cristo, nosso mestre, foi produzido sem união sexual, foi crucificado e morreu, e ressuscitou, e ascendeu ao Céu, nós não propomos nada diferente daquilo que vocês acreditam em relação àqueles que vocês estimam como Filhos de Júpiter". (1ª Apologia 21)
Num outro escrito, Justino Mártir disse: "Ele nasceu de uma virgem, aceitem isto como algo em comum com o que vocês acreditam de Perseus". É óbvio que Justino e outros primeiros Cristãos sabiam como o Cristianismo era semelhante às religiões Pagãs. Contudo, Justino tinha uma solução. Segundo ele, o Diabo era o responsável. O Diabo tinha o dom da previsão para vir antes de Cristo, e de criar essas características no mundo Pagão." 

Resposta -veja as mentiras:

1- Justino não diz que o diabo tinha dom de previsão,e sim que os demônios ao ouvir as profecias dos profetas criaram mitos (sobre filhos de Zeus)para que depois as pessoas desacreditassem nas profecias:
"1-E nós demonstramos que foram ditos por obras dos demônios perversos, pra enganar e extraviar o gênero humano.2- com efeito ouvindo os profetas anunciarem que Cristo viria e que os homens ímpios seriam castigados através do fogo, colocaram na frente mitos que se disseram filhos de Zeus, crendo que assim conseguiriam que os homens considerassem as coisas a respeito de Cristo como um conto de fada, semelhante ao conto dos poetas. 3-tudo se propagou principalmente entre os gregos e outras nações, onde mais os demônios tinha ouvido, pelo anúncio dos profetas, que se deveria crer em Cristo...5- Como já dissemos o profeta Moisés é mais antigo que todos os escritores..."(1ª Apologia 54, Editora Paulus)


2-O texto de Justino (1ª Apologia 21) é citado  totalmente fora de contexto, veja o que ele diz em outro texto, sobre crucificação:

"1-Todavia, em nenhum lugar e em nenhum dos supostos filhos de Zeus arremedaram a crucificação, por não tê-la entendido..." (1ª Apologia 55, Editora Paulus))
"3-Se nos lançam em rosto que ele [Cristo] foi crucificado, também isso é comum com os antes citados filhos de Zeus, que vocês admitem terem sofrido. 4-Com efeito, conta-se que eles não sofreram um mesmo gênero de morte... ( 1ª Apologia 22)


3-Justino dá um exemplo da perversão da profecia da ascensão e de Cristo ao  montar num jumento 
7"Assim não sabendo se a profecia deveria ser tomada como símbolo de sua vinda montada num jumentinho de asno ou potro de cavalo, nem se seria filho de Deus, como dissemos ou de homem, os demônios inventaram que , Beloforonte, homem nascido de homens, subiu ao céu montado no cavalo Pégaso" (1ª Apologia 54, Editora Paulus)


4-Logo depois, no parágrafo seguinte dá o exemplo da perversão do nascimento virginal
'"8-Como também ouviram[os demônios] por outro profeta, Isaías, que haveria de nascer de uma virgem e que por sua própria virtude subiria ao céu, adiantaram-se[os demônios] com a lenda de Perseu" (1ª Apologia 54)

"3-Esclareçamos agora as palavras da profecia para que, por não entendê-la, façam a mesma crítica que nós fazemos quando seus poetas nos falam de Zeus: a crítica de que Zeus, para satisfazer sua paixão libidinosa, uniu-se com diversas mulheres.4 Portanto, ‘Eis que uma virgem conceberá’, significa que a concepção seria sem relação carnal, pois, se esta houvesse, ela não mais seria virgem; mas foi a força de Deus que veio sobre a virgem e a cobriu com a sua sombra e fez com que ela concebesse permanecendo virgem (I Apologia 33).
"3-Nós anunciamos que ele nasceu de uma virgem, mas isso para vocês pode ser semelhante a Perseu (1ª Apologia 22).


5-Perseu não teve nascimento virginal, como Cristo, sua mãe era virgem até que engravidou de Zeus:
"No alto de uma torre, em um ´carcere com grades de bronze, a princesa de Argos passava os dias chorando. Seu nome era Dânae. Ainda assim seu pai, o rei Acrísio a havia condenado àquela vida reclusa...Por decreto do rei, Dânae estava condenada a jamis ser vista ou tocada por um homem.... Viajou para Delfos... e lá ouviu uma revelação; O rei de Argos jamis terá filhos e será morto pelas mãos do próprio neto...Acrísio não se atrevia a matar a própria filha, mas estava disposto a isolá-la para sempre dos olhos e dos desejos masculinos...Zeus... acabou comovido pelas lágrima de Dânae - e irresistivelmente seduzido pela visão daquela volúpia reprimida. O deus preciptou-se das nuvens, tombando do alto céu em direção à torre de bronze. No caminho, transformou-se em uma cálida chuva de gotas douradas..encharcou o vestido de Dânae, molhando-lhe os seios e as coxas. meio desperta, meio acordada, ela soltou um grito de prazer... Um deus a possuía  e por isso ela estava livre. Naquele dia foi concebido Perseu" ( Mitologia- deuses, heróis e lendas, Editora Abril, p. 108, 2012)"


Conclusões:
1- Justino como vimos deixou claro em outras passagens que nenhum dos filhos de Zeus nasceu sem união sexual, Perseu nasceu apenas de uma mulher que a´te então era virgem, como foi o meu caso também!
2-Justino deixou claro em outra passagem que nenhum dos filhos de Zeus morreu crucificado!!
3- Justino deixou claro em outras passagens as analogias eram apenas superficiais

  • Alegação sobre Jesus não ter existido:
"Além disso, existe alguma evidência histórica não Bíblica de qualquer pessoa, vivendo com o nome Jesus, o Filho de Maria, o qual viajou por ali com 12,
0 seguidores, curando pessoas e coisas do género? Existem numerosos historiadores que viveram ao redor do Mediterrâneo, quer durante quer logo após a presumida vida de Jesus. Quantos historiadores documentam este personagem? Nem um. No entanto, para ser justo, isso não significa que os defensores dum Jesus Histórico não tenham reclamado o contrário. Quatro historiadores são normalmente referenciados para fundamentar a existência de Jesus. Plínio o Jovem, Suetónio, e Tácito são os três primeiros. Cada um dos seus registos consiste em apenas algumas frases na melhor das hipóteses, e referem-se apenas ao Christus ou Cristo, que na verdade não é nome, mas um título. Significa "o Ungido". A quarta fonte é Josefo e essa fonte foi provada ser uma fraude de centenas de anos. Tristemente, ainda é apresentada como verdade". 
"Qualquer um pensaria que um indivíduo que ressuscitou dos mortos e ascendeu ao Céu à vista de todos e realizou uma série de milagres a si atribuídos teria conseguido ficar para o registo histórico. Assim não aconteceu porque uma vez analisadas as evidências, existe uma muito forte probabilidade que a figura de Jesus nem sequer tenha existido". 

Respostas:
1- Tácito(55 – 120 d.C) -Públio Cornélio Tácito ,
Anais XV 44 :“Por conseguinte Nero, para se livrar dos rumores, acusou de crime e castigou com torturas exageradas aquelas pessoas, odiosas por causa de praticas vergonhosas, a quem o vulgo chama cristãos. Cristo, autor desse nome, foi castigado pelo procurador Pôncio Pilatos, no reinado de TibérioA sua perniciosa superstição, que até ali tinha estado reprimida, já tornava a alastrar-se não só por toda Judéia, origem deste mal, mas até dentro de Roma, aonde todas as atrocidades do Universo, e tudo quanto há de mais vergonhoso vem enfim acumular-se, e sempre acham acolhimento. Em primeiro lugar se prenderam os que confessavam ser cristãos, e depois, pelas denúncias destes, uma multidão inumerável, os quais, além de terem sido acusados como responsáveis pelo incêndio, foram apresentados como inimigos do gênero humano.O suplício destes miseráveis foi ainda acompanhado de insultos, porque ou os cobriram com peles de animais ferozes para serem devorados pelos cães, ou foram crucificados, ou os queimaram de noite para servirem como archotes e tochas ao público. Nero ofereceu os seus jardins para este espetáculo, e ao mesmo tempo dava-se os jogos do Circo, misturado com o povo em trajes de cocheiro, ou guiando carroças. Desta forma, ainda que culpados e dignos dos últimos suplícios, mereceram a compaixão universal por se ver que não eram imolados à utilidade pública, mas aos passatempos atrozes de um bárbaro”...”
1-Todos sabem que o termo "cristão' vem de Cristo e se refere especificamente a Jesus o judeu!!!!
2-Ele faz sua declaração sobre a morte de Cristo como um fato histórico, e não como algo que alguém tivesse suposto.
3-Tácito não cita usas fontes sem criticá-las. Em anais 4.57 ele questiona a maioria dos relatos dos historiadores. Em 15.53 considera absurda a declaração de Plínio e em 13.20 cita o preconceito de Fabius Rusticus que comenta que Tácito era “um cético obstinado de Fabius quanto aos boatos populares, mesmo quando estes coincidiam co os seus próprios preconceitos” e cita Anais 2.68 como um exemplo.
4-Tácito distingue entre boato e fato, usando expressões como: “Alguns registraram”, “conforme opinião geral”. Ele também emprega termos como : “foi dito” e “Dizem” quando não quer se responsabilizar pela declaração (a passagem sobre Cristo, não tem esses dois termos).
4-logo  acusações quanto a Tácito não ter critério, como alguns ateus alegam, caem por terra diante destes fatos. E, portanto diante dos fatos, sabe-se que ele narrou a história sobre Cristo sem criticá-la, e narrou como sendo um fato histórico, inclusive citando o nome de Pôncio Pilatos e situando no tempo de Tibério.
Ou seja ele situa a narração com evidências históricas.




2-Suetônio (70-128)
O imperador expulsou de Roma os judeus que viraram causa permanente de desordem pela pregação de Cristo(Vida de Cláudio, cap. 25, p. 4).


Nero infligiu castigo aos cristãos, uma espécie de gente dada a uma superstição nova e perigosa, foram destinados ao suplício” (Suetônio, Vida dos doze Césares, n. 26.2)

 1-O Nome Chrestus (Nomem Grego) Era Familiar Aos Romanos. O Escrivão Poderia Ter Confundido Chrestus Com Christus (A Mudança É Só Uma Letra) [Ou Mesmo Ter Mudado Como Atitude De Deboche],
Tertuliano Ressalta Que Os Oponentes Do Cristianismo, Pronunciavam Erradamente O Nome Como “Chrestianus” Ao Invés De Christianus.
Logo Não É Uma Atitude Cega Aceitar Que Chrestus Se Refere A Chistus, Pois É Baseada Em Documentos.

2- Atos 18:2 mostra que Cláudio expulsou os judeus de Roma,e entre eles os judeus cristãos como cita o versículo, Priscila e Áquila. Os cristãos judeus foram expulsos por pregarem Cristo, e causando protestos deles, leia Atos 18:5-6. Os discípulos pregavam Cristo: veja Atos 8:5 “ e lhes pregavam o Cristo” (bíblia versão de Matos Soares). Assim na era Cristo que pregava mas os discípulos, basta ler Atos 18:2.

3-
Plínio, o Jovem (61-114)-Caio Plínio Cecílio Segundo
 Os fez amaldiçoar Cristo, o que não consegue obrigar cristão nenhum verdadeiro a fazer...Afirmavam que sua única culpa, seu único erro, era terem o hábito de se reunir em um dia fixo para rezar ao Cristo, que consideravam Deus, para cantar e jurar não cometer crime, abstendo-se de roubo, assassinato, adultério e infidelidade”(Carta a Trajano, cap. X, p. 96)


4- Luciano de Samósata - satirsta grego. A natureza hostil de seu testemunho é ainda mais precioso, por volta do ano 170 d.C escreve:

“os cristãos como TODOS SABEM , adoram UM HOMEM ATÉ HOJE- O DISTINTO PERSONAGEM QUE INICIOU NOVOS RITUAIS-E FOI CRUCIFICADO POR CAUSA DISSO... Vejam bem , essas criaturas mal orientadas começam com a convicção geral de que são imortais para sempre, o que explica o desprezo pela morte e a dedicação voluntária de si mesmos, tão comuns ente eles. Foi também impresso sobre eles, pelo seu legislador original, que são todos irmãos, a partir do momento em que são convertidos, e abandonam os deuses gregos, passando a adorar o sábio crucificado e vivendo segundo as suas leis...”
Lucian, The Death of Peregrine 11-13(AS)


 5-Flávio Josephus fala sobre Jesus em duas passagens:A passagem 20,9,1(geralmente pouco conhecida) diz:
“...reuniu os juízes do Sinédrio e lhes apresentou um homem de nome Tiago, o irmão de Jesus chamado Cristo, e certos outros. Ele os acusou de terem transgredido a lei e os entregou para serem apedrejados”...
1- Orígenes refere-se a essa passagem em seu comentário sobre Mateus 10.17 em cerca de 200 d.C
2- Josefo distingue este Jesus (Cristo) de outros pelo menos 13 que ele menciona na sua obra.
3- Essa passagem é aceita pela maioria dos pesquisadores.


A passagem 18,3,3 diz:
“Nesse mesmo tempo surgiu Jesus, que era um homem sábio, se todavia devemos considerá-lo simplesmente como um homem, tanto suas obras eram admiráveis. Ele ensinava os que tinham prazer em ser instruídos na verdade e foi seguido não somente por muitos judeus, mas mesmo por muitos gentios. Era o Cristo. Os mais ilustres da nossa nação acusaram-no perante Pilatos, e ele fê-lo crucificar. Os que o haviam amado durante a vida não o abandonaram depois da morte. Ele lhes apareceu ressuscitado vivo no terceiro dia, como os santos profetas o tinham predito e que ele faria muitos outros milagres. É dele que os cristãos, que vemos ainda hoje, tiraram seu nome.” (Antigüidades Judaicas, livro. XVIII)

1- a passagem antes mencionada 20,9,1 fica estranha ao leitor do livro de Josefo se ele não tivesse identificado melhor o “Jesus chamado Cristo”

 Até mesmo G. A. Wells (um ferrenho crítico diz): “é imporvável que Josefo tivesse mencionado Jesus aqui simplesmente por assim dizer de passagem, quando não faz menção dele em nenhum ponto (Wells, G.A. Did Jesus exist?)

2- UMA VERSÃO ÁRABE DIZ: “NESTA OCASIÃO, HAVIA UM HOMEM SÁBIO CHAMADO JESUS. A SUA CONDUTA ERA BOA, E ERA TIDO COMO VIRTUOSO. MUITAS PESSOAS DENTRE OS JUDEUS E DE OUTRAS NAÇÕES SE TORNaRAM SEUS DISCÍPULOS. Pilatos condenou-o a ser crucificado e a morrer. Os que se tornaram seus discípulos não abandonaram o seu discipulado. Eles anunciaram que ele estava vivo; assim sendo, ell era talvez o Messias de quem os profetas falaram maravilhas (Pines,, Shlomo. Na arabic version of the testimonium flavianum and its implications. Jeursalém Academic Press, 1984)

Logo os estudiosos sérios acreditam que a passagem de 18,3,3 foi MODIFICADA (veja os trechos acima que estão sublinhados) e que a versão árabe deve ser a verdadeira por não comprometer um judeu a afirmar que Jesus era de fato o messias. Além disso uma versão do testimunium do ´sec. X1 diz ”julgava-se que ele era o messias”


6- Testemunho Judaico do Talmude
“Foi ensinado: Na véspera da Páscoa eles enforcaram Yeshu. E um arauto saiu, adiante dele, durante quarenta dias (dizendo): Ele vai ser apedrejado por praticar feitiçaria e seduzir e desviar Israel. Quem quer que saiba qualquer coisa a favor dele, que venha e peça por ele. Mas não tendo encontrado nada a seu favor, eles o enforcaram na véspera da Páscoa”  (TALMUDE BABILÔNICO.:SANDEHEDRIN 43 a (RS)
obs: a palavra enforcar, pode significar crucificar. A palavra grega stauros (cruz) é usado como verbo (stauroo) na versão grega dos Judeus para se referir a enforcamento Ester 7:9-10.

“Jesus trouxe consigo artes mágicas do Egito num corte que havia em seu corpo” (TALMUDE BABILÔNICO (Sahb. 104b):)

A ENCICLOPÉDIA BRITÂNICA DIZ:
“a TRADIÇÃO JUDAICA RECOLHE TAMBÉM NOTÍCIAS ACERCA DE Jesus. Assim no Talmude de Jerusalém e no da Babilônia incluem-se dados que , evidentemente, contradizem a visão cristã, MAS QUE CONFIRMA A EXISTÊNCIA HISTÓRICA DE JESUS DE NAZARÉ”
“Esses relatos independentes comprovam que nos TEMPOS ANTIGOS ATÉ MESMO OS ADVERSÁRIOS DO CRISTIANISMO JAMAIS DUVIDARAM DA HISTORICIDADE DE JESUS, a qual veio a ser questionada por vários autores do fim do séc. dezoito, dezenove e do início do séc. vinte “



7-Talo (escreveu por volta do ano 52 d.C spbre a escuridão no dia da morte de Cristo:
Julio Africano  relata:
"Talo, no terceiro dos livros que escreveu sobre história, explica essa escuridão comoum eclipse solar- o que me parece ilógico (é claro que é ilógico, pois um eclipse solar não poderia acontecer em época de lua cheia, e foi na época da lua cheia da Páscoa que Cristo morreu" (Cronografia, 18:1)


8- Mara Bar-Serapião- 70 d.C(segundo FF. Bruce)-- era um filósofo estoico da província romana da Síria que tornou-se amplamente conhecido em função de uma carta que teria escrito a seu filho, também chamado Serapião

"Que proveito os atenienses obtiveram em condenar Sócrates à morte? Fome e peste lhe sobrevieram como castigo pelo crime que cometeram. Que vantagem os habitantes de Samos obtiveram ao pôr em fogo em Pitágoras? Logo depois sua terra ficou coberta de areia. Que vantagem os judeus obtiveram com a execução do seu sábio rei? Foi logo após esse acontecimento que o reino dos judeus foi aniquilado. Com justiça Deus vingou a morte desses três sábios: os atenienses morreram de fome; os habitantes de Samos foram surpreendidos pelo mar; os judeus arruinados e expulsos de sua terra, vivem completamente dispersos. Mas Sócrates não está morto, ele sobrevive aos ensinos de Platão. Pitágoras não está morto; ele sobrevive na estátua de Hera, Nem o sábio rei está morto; ele sobrevive nos ensinos que deixou" 



9 Documentos Cristãos


Escritos Primeiros Pais da Igreja: Clemente, Inácio, Policarpo, Irineu,Aristides, Epístola de Baranbé, Justino Mártir, Orígenes, etc.
Documento Didaque
Apócrifos do Novo Testamento
Autores Gnósticos: dezenas de obras (por exemplo, Evangelho da Verdade, Tratado Sobre a Ressurreição e, Apocryphon de João), e outros.
Mais de 5.500 Manuscritos Gregos 



  • Alegação de Jesus ser uma divindade pagã
"A realidade é que Jesus era a Divindade Solar da seita Cristã Gnóstica, e como todos os outros deuses Pagãos, ele foi uma figura mítica. "
Resposta:
Como já foi provado na refutação da parte 1 e 2 isso não passa de mentiras! 




  • Alegação das doutrinas Cristãs terem surgido por volta de 325 d.C

Foi a instituição política que pretendia “historiar” a figura de Jesus para controlo social. Por 325 DC em Roma, o imperador Constantino convocou o Concílio de Nicea. Foi durante esta reunião que as politicamente motivadas Doutrinas Cristãs foram estabelecidas e, assim, começou uma longa história de derramamento de sangue e fraude espiritual Cristãos. E, pelos 1600 anos seguintes, o Vaticano manteve um estrangulamento político por toda a Europa, o que levou a esse período tão animado denominado de “Idade das Trevas”, juntamente com acontecimentos elucidativos como as Cruzadas e a Inquisição. "
Resposta:
1-Como pode ser verificado as próprias fontes não cristãs já mostravam antes de 325 d.C que:

  • Cristo era adorado como Deus (Plínio e Luciano)
  • Foi crucificado sob Pôncio Pilatos (Tácito, Luciano, Flávio)
  • Morreu na época da Páscoa (Talmude, Talo)
  • Executado pelos judeus (Mara Bar-serapião)
  • Reuniam num certo dia para adoração (Plínio)
  • Tinham um código rígido de moralidade "jurar não cometer crime, abstendo-se de roubo, assassinato, adultério e infidelidade" (
  • Anuncio de sua ressurreição (Flavio)
2- Vários Pais da igreja são anteriores a data de 325 d.C, como: Inácio, Irineu, Policarpo, Autor da epístola de barnabé.

3- A maioria do evangelhos apócrifos são anteriores a esta data

4- Todas os livros do Novo Testamento são anteriores a esta data!!!



  • Acusações 
"Cristianismo, juntamente com todos os outros sistemas de crença teísta, é a fraude da era. Ele serviu para separar as espécies do mundo natural, e de igual modo, umas das outras. Sustenta a submissão cega à autoridade. Reduz a responsabilidade humana no sentido em que "Deus" controla tudo, e consequentemente crimes horríveis podem ser justificados em nome da Causa Divina. E, acima de tudo, concede poder àqueles que sabem a verdade, mas usam a verdade para manipular e controlar as sociedades. O mito religioso é o dispositivo criado mais poderoso de sempre, e serve de solo psicológico sobre o qual outros mitos podem prosperar".
Resposta:

  • A fraude da era é este vídeo mentiroso como foi demonstrado
  • O mito religioso deve ser combatido, assim como os mitos ateístas. Mas como vimos o cristianismo tem base histórica e não entra nesta categoria!
  • A bíblia não diz que "Deus" controla tudo, e consequentemente crimes horríveis podem ser justificados em nome da Causa Divina". Pelo contrário o homem tem livre escolha:

Mateus 23:37  Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes!

Oséias 8:4  Eles estabeleceram reis, mas não da minha parte; constituíram príncipes, mas eu não o soube; da sua prata e do seu ouro fizeram ídolos para si, para serem destruídos.

  • A bíblia não sustenta a obediência sega à autoridade 

POSIÇÃO SELETIVISTA

1- DEVEMOS ESTAR SUJEITOS AS AUTORIDADES SUPERIORES DESDE QUE ELAS CUMPRAM SEU PAPEL DE JUSTIÇA, PUNIR O MAL E FAZER O BEM. RM 13:4
 "ELA É MINISTRO DE DEUS PARA TEU BEM"- "PORQUE É MINISTRO DE DEUS E VINGADOR EM IRA CONTRA AQUELE QUE PRATICA O MAL" Rm 13:5

2-QUANDO AS AUTORIDADES SUPERIORES FAZEM O MAL deixam de cumprir seu papel de ministro de Deus, portanto devem ser DESOBEDECIDAS .VEJAM OS EXEMPLOS:
-A ordem de matar inocentes: Ex 1:17, 19-21; Mt 2:13-14; é errado tirar a vida de um inocente, ainda que o governo seja ordenado por Deus, mas o mandamento moralmente injustificado não foi ordenado por ele, pelo contário, é contra a
a lei de Deus.
-A ordem de não pregar o evangelho: At 4:19-20.

3- DEUS DELEGA PODER AO GOVERNO HUMANO PARA PUNIR O MAL:
RM 13:4 "ELA É MINISTRO DE D.EUS PARA TEU BEM"- 
"PORQUE É MINISTRO DE DEUS E VINGADOR EM IRA CONTRA AQUELE QUE PRATICA O MAL" Rm 13:5
4- DEIXAR DE FAZER O BEM, SALVANDO VIDAS POR EXEMPLO É PECADO 
Tiago 4:17
"Aquele que pode fazer o bem e não faz, esse peca"
Exemplos:
*Permitir que um serial killer com uma metralhadora mate crianças inocentes numa escola, sem intervenção até mesmo violenta é moralmente indesculpável.
*Um atirador de elite, num caso específico em que um bandido tem a intençaõ REAL de matar suas vítimas, ao alvejar o bandido, faz o bem aos inocentes. Se não fizer isso deixa de fazer o bem, e isso é pecado.
*Se alguém nos aviões dos atentados de 11 de setembro pude-se ter intervindo, mesmo que matando algum bandido e assim salvando milhares de vidas inocentes teria cumprido Tg 4:17.
*Se uma nação como a Alemanha Nazista, cujo objetivo era extermínio de Judeus, eslavos, negros, deficientes e homossexuais não sofresse oposição dos outros países, mesmo através da guerra, deixando a Alemanha dominar o mndo e massacrar os inocentes seria um caos incalculável e um pecado grave (pecado de omissão). Da mesma forma que os ativistas alemães que participaram da guerra em defesa dos ideias nazistas estavam errados em fazer o mal. Foi o pecado de comissão.

Estes dois pontos mostram como O PACIFISMO DEIXA DE FAZER O BEM DE SALVAR ´VITIMAS INOCENTES E COMO O ATIVISMO COM SUA SUBMISSÃO CEGA PODE FAZER UM MAL MUITO GRANDE. Deixando assim claro que o extremismo das duas posições é um erro moral.


Nenhum comentário:

Postar um comentário