Pesquisar e

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Doenças e pragas- está pior hoje?

 expectativa de vida subiu extraordinariamente poque as doenças e fome foram controladas
http://data.worldbank.org/indicator/SP.DYN.LE00.IN?end=2014&start=1960&view=chart

aumento extraordinário da expectativa de vida


aumento fantástico da expectativa de vida de 1540-2011
http://ourworldindata.org/VisualHistoryOf/Health/Static_Images/Life-expectancy-at-birth-in-countries-around-the-world-1540-2011_Max-Roser.png


"Q: O que mata mais pessoas: doenças infecciosas ou doenças não transmissíveis?Doenças não transmissíveis foram responsáveis ​​por 68% de todas as mortes a nível mundial em 2012, contra 60% em 2000. As quatro principais doenças não transmissíveis são as doenças cardiovasculares, cânceres, diabetes e doenças pulmonares crônicas. Doenças transmissíveis,, condições neonatais e de nutrição materna foram coletivamente responsáveis ​​por 23% das mortes globais, e os ferimentos causaram ​​9% de todas as mortes." (OMS)  http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs310/en/index2.html




A primeira grande praga pandêmica a ser comunicada de forma confiável ocorreu durante o reinado do imperador bizantino Justiniano I , no século 6 dC . De acordo com o historiador Procópio e outros, o surto começou no Egito e se mudou ao longo das rotas comerciais marítimas, atingindo Constantinopla, em 542. Lá ela matou os moradores às dezenas de milhares, os mortos caindo tão rapidamente que as autoridades tiveram dificuldade em eliminá-los.
plague. 2015. Encyclopædia Britannica Online. Retrieved 26 Julho, 2015, fromhttp://www.britannica.com/science/plague

541 d.C A Peste de Justiniano, que começou em 541 e continuou intermitente por quase 200 anos, matando 50 milhões de pessoas no Oriente Médio, na Ásia e na bacia do Mediterrâneo, de acordo com algumas estimativas. A praga é causada por bactérias que estão espalhados por ratos que foram picadas por pulgas infectadas. http://edition.cnn.com/interactive/2014/10/health/epidemics-through-history/


A próxima grande pandemia praga foi o temida Peste Negra no século 14. O número de mortes era enorme, alcançando dois terços ou três quartos da população em várias partes da Europa. Calcula-se que um quarto a um terço da população total da Europa, ou 25 milhões de pessoas, morreu de peste durante a Peste Negra.
 1519 d.C  Havia aproximadamente 25 milhões de pessoas que vivem no que hoje é chamado o México quando Hernando Cortes chegou em 1519. A epidemia de varíola matou entre 5 e 8 milhões da população nativa nos dois anos seguintes. No século seguinte, menos de 2 milhões iria sobreviver a esta e outras doenças transmissíveis trazidos pelos  exploradores europeus.http://edition.cnn.com/interactive/2014/10/health/epidemics-through-history/
  
 1633 d.C  A varíola atingiu Massachusetts em 1633, trazida por colonos da França, Grã-Bretanha e Holanda. Ela rapidamente se espalhou para a população indígena, que tinha até agora sido livre desta doença transmissível. Não está claro quantos foram mortos por varíola, embora historiadores estimam cerca de 20 milhões podem ter morrido depois de os europeus desembarcaram.

A Grande Peste de Londres de 1664-1666 causou entre 75.000 e 100.000 mortes em uma população estimada em 460 mil. A peste se alastrou em Colónia e no Rhine 1666-1670 e na Holanda 1667-1669, mas depois que ele parece ter diminuído no oeste da Europa . Entre 1675 e 1684 um novo surto apareceu no Norte da África , Turquia , Polónia , Hungria , Áustria e Alemanha , progredindo em direção ao norte. Malta perdeu 11.000 pessoas em 1675, em Viena , pelo menos, 76 mil em 1679, e Praga 83.000 em 1681. Muitas cidades do norte da Alemanha também sofreu durante este tempo, mas em 1683 a peste desapareceu da Alemanha . França viu o último de peste em 1668, até que reapareceu em 1720 na cidade portuária de Marselha , onde matou mais de 40.000 pessoas.
Estes surtos apenas definir o cenário para a terceira grande pandemia da peste, que ganhou força na província de Yunnan, sudoeste da China, na década de 1850 e, finalmente, chegou a Guangzhou (Cantão) e Hong Kong em 1894. Estas cidades portuárias tornaram-se centros de distribuição de praga, e entre 1894 e 1922, a doença se espalhou por todo o mundo, mais amplamente do que em qualquer pandemia anterior, resultando em mais de 10 milhões de mortes. Entre os muitos pontos foram infectadas Bombaim em 1896, Calcutá em 1898, Cidade do Cabo e San Francisco em 1900, Bangkok em 1904, Guayaquil ( Equador ) em 1908, Colombo ( Sri Lanka ) em 1914, e Pensacola (Florida ) em 1922. Quase todos os portos europeus foram atingidos, mas, de todas as áreas afetadas, a Índia sofreu a mais. plague. 2015. Encyclopædia Britannica Online. Retrieved 26 Julho, 2015, fromhttp://www.britannica.com/science/plague
O maior surto de peste no século 20 ocorreu na Manchúria entre 1910 e 1911. Cerca de 60 mil pessoas morreram. A praga ainda ocasionalmente provoca surtos menores em partes da África sub-saariana.
http://edition.cnn.com/interactive/2014/10/health/epidemics-through-history/


Peste negra-A peste foi uma doença que, por volta do ano 1300, matou cerca de 25 milhões de pessoas na Europa — quase um terço da população. A doença se tornou conhecida como “peste negra”, por causa das manchas escuras que apareciam na pele da vítima.
Com o passar do tempo, a palavra “peste” ganhou outros significados. Hoje ela é usada para designar também outras doenças contagiosas. Nesse caso, o termo “peste” se tornou sinônimo de epidemia.  peste. In Britannica Escola Online. Enciclopédia Escolar Britannica, 2015. Web,
2015. Disponível em: <http://escola.britannica.com.br/article/482224/peste>. Acesso em: 26 de julho de 2015.

A Peste Negra, uma epidemia de peste bubônica, matou cerca de um terço da população europeia entre 1347 e 1351Idade Média. In Britannica Escola Online. Enciclopédia Escolar Britannica, 2015. Web, 2015. Disponível em: <http://escola.britannica.com.br/article/481902/Idade-Media>. Acesso em: 26 de julho de 2015.


A grande pandemia de gripe de 1918 e 1919 é estimada  ter matado entre 30 milhões e 50 milhões de pessoas em todo o mundo. Entre eles estavam 675 mil  americanoshttp://edition.cnn.com/interactive/2014/10/health/epidemics-through-history/


TUBERCULOSE
1 bilhão de mortos - 1850 a 1950

História – Sinais da doença foram encontrados em esqueletos de 7 000 anos atrás. O combate foi acelerado em 1882, depois da identificação do bacilo de Koch, causador da tuberculose. Nas últimas décadas, ressurgiu com força nos países pobres, incluindo o Brasil, e como doença oportunista nos pacientes de Aids

Contaminação – Altamente contagiosa, transmite-se de pessoa para pessoa, através das vias respiratórias

Sintomas – Ataca principalmente os pulmões

Tratamento – À base de antibióticos, o paciente é curado em até seis meses

Situação e tendências mundiais: A tuberculose (TB) é contagiosa e no ar. É considerado como a segunda principal causa de morte a partir de um único agente infeccioso, depois de o vírus da imunodeficiência humana (HIV). 9 milhões de pessoas adoeceram com tuberculose em 2013, incluindo 1,1 milhões de casos entre pessoas que vivem com HIV. Em 2013, 1,5 milhões de pessoas morreram de tuberculose, incluindo 360 000 entre as pessoas que eram HIV-positivos.510 000 mulheres morreram de tuberculose em 2013, incluindo 180 000 entre as mulheres que eram HIV-positivos.Das mortes por tuberculose em geral entre as pessoas HIV-positivas, 50% foram entre as mulheres. A tuberculose é uma das principais causas de morte de mulheres em idade reprodutiva. Estima-se que 550 000 crianças ficaram doentes com TB e 80 000 crianças que eram HIV-negativos morreu de tuberculose em 2013. A taxa de mortalidade por tuberculose diminuiu 45% desde 1990. http://www.who.int/gho/tb/en/




VARÍOLA
300 milhões de mortos - 1896 a 1980

História – A doença atormentou a humanidade por mais de 3 000 anos. Até figurões como o faraó egípcio Ramsés II, a rainha Maria II da Inglaterra e o rei Luís XV da França tiveram a temida “bixiga”. A vacina foi descoberta em 1796

Contaminação – O Orthopoxvírus variolae era transmitido de pessoa para pessoa, geralmente por meio das vias respiratórias

Sintomas – Febre, seguida de erupções na garganta, na boca e no rosto. Posteriormente, pústulas que podiam deixar cicatrizes no corpo

Tratamento – Erradicada do planeta desde 1980, após campanha de vacinação em massa
História

A varíola foi erradicada em 1977


GRIPE ESPANHOLA
20 milhões de mortos - 1918 a 1919

História – O vírus Influenza é um dos maiores carrascos da humanidade. A mais grave epidemia foi batizada de gripe espanhola, embora tenha feito vítimas no mundo todo. No Brasil, matou o presidente Rodrigues Alves

Contaminação – Propaga-se pelo ar, por meio de gotículas de saliva e espirros

Sintomas – Fortes dores de cabeça e no corpo, calafrios e inchaço dos pulmões

 http://super.abril.com.br/ciencia/as-grandes-epidemias-ao-longo-da-historia
Tratamento – O vírus está em permanente mutação, por isso o homem nunca está imune. As vacinas antigripais previnem a contaminação com formas já conhecidas do vírus
Pandemias de gripe são estimados para ocorrer cerca de uma vez cada 50 anos, embora o intervalo de pandemia real tem sido em alguns casos, mais curto do que este. Por exemplo, na sequência da pandemia de 1918-1919, houve duas outras pandemias de gripe do século 20: 1957Gripe asiáticapandemia e 1968Hong Kong gripe pandêmica. O vírus que causou a pandemia de 1957, que durou até cerca de meados de 1958, também foi responsável por uma série de epidemias que surgiram ao ano até 1968, quando a gripe de Hong Kong apareceu. A pandemia de gripe de Hong Kong, que se prolongou até 1969-70, causou entre um milhão e quatro milhões de mortes. A próxima pandemia de gripe ocorreu em 2009, quando um subtipo de H1N1 vírus espalhados por várias regiões do mundo.Entre março de 2009 e meados de Janeiro de 2010, mais de 14.140 mortes confirmados em laboratório H1N1 havia sido relatado em todo o mundo. pandemic. 2015. Encyclopædia Britannica Online. Retrieved 26 Julho, 2015, fromhttp://www.britannica.com/science/pandemic



TIFO

3 milhões de mortos (Europa Oriental e Rússia) - 1918 a 1922

História – A doença é causada pelas bactérias do gênero Rickettsia. Como a miséria apresenta as condições ideais para a proliferação, o tifo está ligado a países do Terceiro Mundo, campos de refugiados e concentração, ou guerras

Contaminação – O tifo exantemático (ou epidêmico) aparece quando a pessoa coça a picada da pulga e mistura as fezes contaminadas do inseto na própria corrente sangüínea. O tifo murino (ou endêmico) é transmitido pela pulga do rato

Sintomas – Dor de cabeça e nas articulações, febre alta, delírios e erupções cutâneas hemorrágicas

Tratamento – À base de antibióticos



FEBRE AMARELA
30 000 mortos (Etiópia) - 1960 a 1962

História – O Flavivírus, que tem uma versão urbana e outra silvestre, já causou grandes epidemias na África e nas Américas

Contaminação – A vítima é picada pelo mosquito transmissor, que picou antes uma pessoa infectada com o vírus

Sintomas – Febre alta, mal-estar, cansaço, calafrios, náuseas, vômitos e diarréia. 85% dos pacientes recupera-se em três ou quatro dias. Os outros podem ter sintomas mais graves, que podem levá-los à morte

Tratamento – Existe vacina, que pode ser aplicada a partir dos 12 meses de idade e renovada a cada dez anos



SARAMPO
6 milhões de mortos por ano - Até 1963

História – Era uma das causas principais de mortalidade infantil até a descoberta da primeira vacina, em 1963. Com o passar dos anos, a vacina foi aperfeiçoada, e a doença foi erradicada em vários países

Contaminação – Altamente contagioso, o sarampo é causado pelo vírus Morbillivirus, propagado por meio das secreções mucosas (como a saliva, por exemplo) de indivíduos doentes

Sintomas – Pequenas erupções avermelhadas na pele, febre alta, dor de cabeça, mal-estar e inflamação das vias respiratórias

Tratamento – Existe vacina, aplicada aos nove meses de idade e reaplicada aos 15 meses



MALÁRIA
3 milhões de mortos por ano - Desde 1980

História – Em 1880, foi descoberto o protozoário Plasmodium, que causa a doença. A OMS considera a malária a pior doença tropical e parasitária da atualidade, perdendo em gravidade apenas para a Aids

Contaminação – Pelo sangue, quando a vítima é picada pelo mosquito Anopheles contaminado com o protozoário da malária

Sintomas – O protozoário destrói as células do fígado e os glóbulos vermelhos e, em alguns casos, as artérias que levam o sangue até o cérebro

Tratamento – Não existe uma vacina eficiente, apenas drogas para tratar e curar os sintomas







A transmissão da malária ocorre em todas as seis regiões da OMS. Globalmente, estima-se que 3,2 bilhões de pessoas em 97 países e territórios estão em risco de ser infectado com malária e desenvolver a doença (mapa), e 1,2 mil milhões estão em risco elevado (> 1 em 1000 chances de contrair malária em um ano). De acordo com as últimas estimativas, 198 milhões de casos de malária ocorreu globalmente em 2013 (intervalo 124-283000000 incerteza) e que a doença levou a 584 000 mortes (intervalo de incerteza 000-755 367 000), o que representa uma diminuição na incidência de casos de malária e mortalidade taxas de 30% e 47% desde 2000, respectivamente. O fardo é mais pesado na Região Africano da OMS, onde se estima que 90% de todas as mortes por malária ocorrem, e em crianças com menos de 5 anos, que representam 78% de todas as mortes. http://www.who.int/gho/malaria/en/




AIDS
22 milhões de mortos - Desde 1981

História – A doença foi identificada em 1981, nos Estados Unidos, e desde então foi considerada uma epidemia pela Organização Mundial de Saúde

Contaminação – O vírus HIV é transmitido através do sangue, do esperma, da secreção vaginal e do leite materno

Sintomas – Destrói o sistema imunológico, deixando o organismo frágil a doenças causadas por outros vírus, bactérias, parasitas e células cancerígenas

Tratamento – Não existe cura. Os soropositivos são tratados com coquetéis de drogas que inibem a multiplicação do vírus, mas não o eliminam do organismo

Fonte: Organização Mundial de Saúde (OMS) e Fundação Oswaldo Cruz
Situação e tendências globais : Desde o início da epidemia, quase 78 milhões de pessoas foram infectadas com o vírus HIV e cerca de 39 milhões de pessoas morreram de HIV.Globalmente, 35,0 milhões de [33,2-37.200.000] as pessoas estavam vivendo com o HIV no final de 2013. Estima-se que 0,8% dos adultos de 15-49 anos em todo o mundo estão vivendo com HIV, embora o ônus da epidemia continua a variar consideravelmente entre os países e regiões. A África Subsaariana continua sendo a mais severamente afetada, com quase 1 em cada 20 adultos vivendo com HIV e respondendo por quase 71% das pessoas que vivem com HIV em todo o mundo.  http://www.who.int/gho/hiv/en/
observe a queda das novos casos em verde
aumento da expectativa de vida de portadores de HIV em azul
diminuição do numero de mortos em vermelho


Nenhum comentário:

Postar um comentário